Geada danifica 80% dos vinhedos na França: “Desastre agrícola”

O ministro da agricultura francês afirmou que o setor teve perdas importantes devido à onda de frio no país

atualizado 10/04/2021 12:01

Uvas congeladasFoto: REUTERS/PASCAL ROSSIGNOL

Os vinhedos franceses sofreram com a onda de frio que atingiu o país esta semana. Segundo o ministro da Agricultura da França, Julien Denormandie, as temperaturas abaixo de zero tornaram a semana difícil para o setor. Ele complementa que o país registrou “perdas signficativas”.

“Estamos totalmente mobilizados para que as medidas de acompanhamento sejam implementadas o mais rápido possível. Especificamente, implementaremos um regime de desastre agrícola”, disse ele em entrevista à rádio pública francesa Franceinfo na última quinta-feira (8/4). Em outras palavras, o ministro adianta que podem ser previstos incentivos ficais e ajuda de bancos e seguradoras.

De acordo com a Associação Nacional de Vinicultores, essa situação é “uma das mais graves das últimas décadas”. A chefe do CEEV, um grupo europeu de comércio de vinhos, Jean-Marie Barillere, afirmou que a geada afetou 80% dos vinhedos franceses. “Já sabemos que teremos uma safra muito baixa em 2021”, disse Jean-Marie.

Além dos vinhedos, a geada atingiu plantações como as de beterraba, colza, damasco e pêssego. Julien Denormandie enfatizou que a situação é “bastante excepcional”, e os efeitos atingiram do norte ao sudeste do país.

Tentativa de prevenção

Os vinicultores franceses acenderam milhares de pequenas fogueiras para tentar evitar a geada. Essa prática é antiga e consiste em acender velas, ou fogueiras, perto de árvores frutíferas para evitar a formação de geadas. Ou seja, os vinhedos parecem estar em chamas, mas é apenas uma tentativa de evitar o congelamento dos brotos.

Mas fogueiras criaram uma cama de poluição no sudeste do país. O órgão que monitora a qualidade do ar chegou a emitir um alerta sobre a poluição e indicou que causa seriam as partículas finas induzidas pelo fogo. A fumaça chegou a ser vista da cidade de Lyon na quinta-feira.

Últimas notícias