Nadadora paralímpica, Alice Tai amputa perna após nascer com pé torto

A britânica Alice Tai está dando aula de superação e otimismo após ter a perna direita amputada do joelho para baixo

atualizado 20/01/2022 15:40

Alice Tai nadadora paralímpica Reprodução/Instagram

Medalha de ouro no revezamento medley das Paralimpíadas do Rio-2016, a britânica Alice Tai está dando aula de superação e otimismo após ter a perna direita amputada do joelho para baixo. Ela fez o procedimento para diminuir as dores que sentia por ter o pé direito torto desde o seu nascimento.

Aos 22 anos, Alice contou sobre sua cirurgia nas redes socias e tranquilizou seus fãs: “Estou saudável, feliz e próspera, então, por favor, não entrem em pânico!”. Já aos 13 anos, ela considerou a amputação para ter uma “melhor qualidade de vida”, mas os médicos disseram que era melhor esperar que seu corpo crescesse totalmente para tomar a decisão definitiva.

Tai recebeu alta após ficar cinco dias no hospital e disse que “se sente ótima”, só com um pouco de dor e náusea pós-operatória.

“Nos últimos anos, a dor no meu pé direito piorou. Ambos os meus tornozelos estão fundidos e artríticos, mas o direito sempre foi o mais problemático e (comicamente) não funcional”, revelou.

“Primeiro perguntei aos meus cirurgiões sobre a possibilidade da amputação em 2012. Não havia mais cirurgias corretivas que pudessem me dar melhorias significativas na mobilidade e reduzir a dor. Desde então, nunca saiu da minha mente (a ideia de amputar) e eu estava apenas esperando um bom momento para ‘encaixar’.”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Alice Tai MBE (@alice__tai)

“No ano passado, percebi que estava perdendo tempo. Se uma vida de melhor qualidade fosse possível (sem muletas, menos provável de me destruir os braços), o que eu estava esperando?”, questionava a nadadora. “O plano voltou a funcionar e, após consultas e muitos exames, foi proposta a data da cirurgia. Agora não tenho a perna direita abaixo do joelho”, contou.

“A única desvantagem foi a náusea por 24 horas após a cirurgia (graças a Deus pelos medicamentos anti-enjoo)”, escreveu Alice um dia após receber ir para casa. “A equipe médica envolvida desde a cirurgia está incrivelmente otimista sobre minha recuperação. Assim como eu!”, celebrou.

“Eu sei que muitas pessoas provavelmente não viram isso acontecer, poucas pessoas sabiam. Eu queria ter a certeza de que a cirurgia foi bem-sucedida antes de compartilhar. Também quero agradecer imensamente a todos os meus parceiros e equipes de apoio que estiveram comigo nesta jornada. O apoio contínuo em todas essas cirurgias significa o mundo para mim, palavras realmente não são suficientes. Obrigada!”, concluiu a medalhista.

Além da conquista no Rio, Alice tem sete medalhas de ouro em Mundiais e cinco em Campeonatos Europeus.

Quer ficar por dentro de tudo que rola no mundo dos esportes e receber as notícias direto no seu Telegram? Entre no canal do Metrópoles.

Mais lidas
Vídeos
Últimas notícias