Tite evita euforia, mas exalta atuação do Brasil e “casca grossa”

De acordo com o comandante, experiência e equilíbrio o ajudaram a superar a pressão neste fim de ano à frente da Seleção Brasileira

Depois de a Seleção Brasileira encerrar um jejum de cinco jogos sem vitórias, o técnico Tite evitou exibir euforia com o placar de 3 x 0 conquistado diante da Coreia do Sul, nesta terça-feira (19/11/2019), em Abu Dabi, nos Emirados Árabes. Porém, exaltou a atuação da equipe nacional e também aproveitou o triunfo para lembrar que precisou ter “casca grossa” para saber absorver as críticas que vinha recebendo.

O comandante deixou claro que ainda está decepcionado pelo fato de o Brasil ter sido derrotado por 1 x 0 pela Argentina, na última sexta-feira, em Riad, na Arábia Saudita, onde a Seleção completou cinco partidas sem vencer. Antes, acumulou empates com Colômbia, Senegal e Nigéria e ainda foi derrotado pelo Peru. Esta sequência ruim começou depois da conquista do título da Copa América, em julho, em solo brasileiro.

1/5
Philippe Coutinho comemora golaço de falta
Titular após ser reserva contra a Argentina, Philippe Coutinho marcou golaço de falta
Lucas Paquetá, de cabeça, abriu o placar para o Brasil
Eder Militão ganhou outra oportunidade na defesa brasileira
Phillipe Coutinho encerra jejum de gols de falta do Brasil após quatro anos

“Minha expectativa era de melhores resultados. De performance, alternada. A gente teve infelicidade de quando estava melhor. A gente estava dominando o jogo, tivemos duas ou três oportunidades de marcar contra a Argentina, não fizemos e tomamos. Jogo assim te massacra, foi duro”, afirmou Tite, em entrevista coletiva, na qual em seguida comentou sobre a necessidade de se manter forte e não deixar com que o seu abatimento com as derrotas anteriores transpareça e tenha impacto negativo para os seus comandados.

“Me incomoda em alto nível a gente não ter (um bom futebol). Eu falei que não estava satisfeito com o resultado, mas tem que ser duro, casca grossa. Se eu estou desequilibrado, não tenho a experiência que tenho, os garotos entram numa pressão desgraçada e não produzem”, enfatizou o treinador, que evitou qualificar o seu sentimento com o triunfo desta terça-feira como de alívio, ponderando que a instabilidade da seleção se deve também ao “processo de construção” da atual equipe.

“Não sei se é o termo (aliviado). Mas (o resultado) me deixa feliz, ainda mais com desempenho. Usaram o termo suficiente (para analisar o futebol jogado pela Seleção Brasileira para vencer), mas para mim é mais do que isso, é bom. Fizemos o terceiro gol trocando 48 passes. É pouco, foi uma vitória só, eu sei que é pouco, queríamos ter melhor resultado, mas (a equipe) vai se construindo”, completou.