*
 

O meia Forsberg marcou o gol da vitória da Suécia por 1 x 0 sobre a Suíça e foi eleito o melhor jogador da partida desta terça-feira (3/7), em São Petersburgo. O camisa 10 foi a principal referência de sua equipe, criou as jogadas de ataque e ainda salvou uma bola na linha do gol, que seria o empate dos suíços, o que levaria o jogo para a prorrogação.

“Significa muito para mim ter buscado a vitória novamente desse jeito extraordinário. Não demos muitas chances para a Suíça, no final das contras. Ver o que estamos conquistando juntos me faz encher os olhos de lágrimas e me sentir muito orgulhoso”, afirmou o atleta.

A Suécia vem surpreendendo a todos desde as Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo. Na fase de grupos, caiu em uma chave com França e Holanda. Conseguiu ir à repescagem e deixou os holandeses pelo caminho. No mata-mata para ir ao Mundial, despachou nada menos do que a tetracampeã Itália.

Na Rússia, caiu no grupo da Alemanha e conseguiu terminar em primeiro lugar, mandando os atuais campeões do mundo para casa mais cedo. Nesta terça-feira, em São Petersburgo, a equipe fez um bom jogo e avançou para as quartas de final.

Desde 1994, na Copa dos Estados Unidos, que os suecos não iam tão longe na competição. Na ocasião, foram eliminados nas semifinais para a seleção brasileira de Romário, que chegaria ao tetra. A Suécia ainda garantiu o terceiro lugar.

“Se jogarmos da maneira certa, sabemos que podemos ser realmente bons na defesa e no ataque. Estamos nas quartas de final agora e isso prova que estamos fazendo alguma coisa muito bem”, emendou Forsberg.

A Suécia volta a campo no próximo sábado (7/7), às 11h, em Samara, para enfrentar o vencedor do confronto entre Colômbia e Inglaterra, que jogam nesta terça-feira, em Moscou.

Os suecos seguem vivos e como grandes surpresas. Surpresa, por sinal, que vem desde as Eliminatórias Europeias, quando deixaram a Holanda pelo caminho na fase de grupos e mandaram a Itália embora na repescagem. O melhor resultado em Mundiais até hoje foi em 1958, quando, em casa, perderam na decisão por 5 x 2 para o Brasil de Pelé e Garrincha.

 

 

O jogo
E o futebol demorou a entrar em campo no jogo de São Petersburgo. Os suecos começaram melhor, com algumas chances perdidas nos primeiros 10 minutos da etapa inicial, principalmente com o atacante Marcus Berg. Aos 27 minutos, em ótimo chute de dentro da área, Berg quase marcou. Só não o fez por causa da bela defesa do goleiro suíço Yann Sommer. O atacante está entre os 10 maiores finalizadores desta Copa do Mundo, com 13 chutes até o momento. É o único que ainda não conseguiu o tento.

Em 98 anos, Suécia e Suíça se enfrentaram 28 vezes. São, agora, 11 vitórias para os nórdicos contra 10 dos famosos fabricantes de relógios e chocolates, além de oito empates. Apesar de ser um confronto corriqueiro, a última vez em que estiveram frente a frente foi em março de 2002, quando empataram por 1 x 1. Mesmo com o grande número de jogos, nenhum deles foi em Mundial.

A Suíça, por sua vez, foi para o jogo com o objetivo de voltar às quartas de final de Copa do Mundo após 64 anos. Não conseguiu. A última vez em que alcançou essa fase foi em 1954, quando sediaram o Mundial e terminaram na quarta posição. E deixa o Mundial depois de complicar a vida da Seleção Brasileira na primeira fase – a partida, recheada de polêmica, terminou empatada em 1 X 1. (Com informações da Agência Estado)

FICHA TÉCNICA

Suécia 1 x 0 Suíça

Suécia
Olsen; Lustig (Krafth), Lindelof, Granqvist e Augustinsson; Svensson, Ekdal, Claesson e Forsberg (Olsson); Berg (Thelin) e Toivonen
Técnico: Janne Andersson

Suíça
Sommer; Lang, Djourou, Akanji e Rodríguez; Behrami, Shaka, Shaqiri, Dzemaili (Seferovic), Zuber (Embolo) e Drmic
Técnico: Vladimir Petkovic

Árbitro: Damir Skomina (Fifa/Eslovênia)

Horário: 11h

Local: Arena Zenit, em São Petersburgo (Rússia)

Gol: Forsberg, aos 20 minutos do segundo tempo

Cartões amarelos: Lustig (Suécia); Behrami e Xhaka (Suíça)

Cartão vermelho: Lang (Suíça)

Público: Não disponível

Local: Arena São Petersburgo, em São Petersburgo