*
 

Diego Armando Maradona eximiu Lionel Messi de culpa pela eliminação da Argentina na Copa do Mundo. O ex-jogador entende que o craque do Barcelona teve pouca colaboração dos companheiros de seleção e não gostou de ver o compatriota escalado como “falso 9” na derrota por 4 x 3 para a França, sábado (30/6), em Kazan.

“Achei que ele estava muito sozinho e longe do gol. Foi colocado para jogar de ‘9’, mas tinha de armar o jogo e finalizar. Outra Copa do Mundo que se vai, nós a vimos passar e não nos deixou nada”, disse ao programa “De la mano del Diez”, da TV venezuelana Telesur. O campeão do mundo em 1986 comparou Messi a um herói de histórias em quadrinhos muito popular na Argentina: “Parecia mais o Patoruzú. Somos só mais um timinho sem ele”.

Para Maradona, a queda da Argentina no Mundial era questão de tempo. “Parecia que estávamos indo ao cinema em vez de assistir a um jogo de futebol. Víamos a crônica de uma morte anunciada. Nós não tínhamos rumo. Não sabíamos o que fazer quando tínhamos a bola”, analisou o ex-jogador, que aproveitou para elogiar a França.

“Os franceses tinham saída para o contra-ataque, variações, entradas pela direita e pela esquerda. A Argentina saiu para atacar e cometeu o erro de deixar muito espaço a (Kylian) Mbappé, que é como o (Claudio) Caniggia dos primeiros momentos de carreira”, comparou.

Maradona também pediu respaldo a jovens jogadores que passarão a integrar o time da Argentina nos próximos anos, uma vez que é provável que a equipe passe por um profundo processo de renovação. Após a derrota para a França, Lucas Biglia e Javier Mascherano anunciaram a aposentadoria deles da seleção.

“O presidente da AFA (Associação Argentina de Futebol) tem de tomar decisões em prol dos garotos que estão despontando na seleção. A eles não podemos pedir mais nada do que fizeram, deram tudo de si”, disse o ex-técnico da Argentina, que comandou a seleção no Mundial de 2010.

Da equipe eliminada no sábado pela França, havia cinco jogadores com menos de 25 anos e que devem estar no processo de reformulação da seleção argentina. São eles: Nicolás Tagliafico, Maximiliano Meza, Giovani Lo Celso, Paulo Dybala e Cristian Pavón disputaram na Rússia a primeira Copa deles.