*
 

A partida nesta sexta-feira (6/7) entre Brasil e Bélgica, em Kazan, pelas quartas de final da Copa do Mundo, causará uma sensação especial no meia Fernando Canesin. O paulista de 26 anos está desde 2010 no país europeu, onde passou por Anderlecht e agora está no Oostende. Durante toda essa vivência, viu de perto o crescimento da adversária da seleção e estabeleceu uma amizade com o artilheiro da equipe, Romelu Lukaku, que é um grande admirador do Brasil. Em entrevista ao Estado, Canesin comentou sobre a evolução dos belgas e a possibilidade futura de se juntar ao rival.

Nessa sua vida na Bélgica, quais características do futebol belga mais te impressionaram?
Sem dúvidas, as principais características são físicas e táticas. Estou aqui desde 2010 e acompanhei de perto o crescimento do esporte no país. Eles sempre foram muito fortes, mas, com o passar dos anos, evoluíram taticamente, com muita disciplina dentro de campo. Hoje, não só a seleção chama atenção, mas o jogador belga passou a ser visto com qualidade, cobiçados pelos principais times.

Você chegou a jogar com o Lukaku no Anderlecht. Como ele é fora de campo?
Se tiver que descrever o Romelu com poucas palavras, seria simples e humilde. Um cara super do bem, além de ser um talento fora do comum dentro da área. Ele adora os brasileiros e faz questão de falar em português. Gosta de tomar guaraná e já me mandou até foto comendo feijoada, acredita?!

Quais motivos levam a Bélgica a revelar tantos jogadores jovens e talentosos?
Acho que o motivo é simples. A liga belga é muito organizada e competitiva, mas com menos força financeira que países como Inglaterra, Espanha ou França, que compram quem eles querem em qualquer lugar do mundo, inclusive aqui. Então, os belgas são obrigados a revelar os seus próprios talentos e usar esse dinheiro das vendas para manter o esporte crescendo de forma organizada.

Na sua opinião, a Bélgica está preparada para ser campeã mundial?
Tem que dar Brasil, né?! Claro que eles têm um time forte e de altíssimo nível, estão preparados para serem campeões e estão fazendo uma excelente Copa até aqui. Mas cruzamos muito cedo com eles e acho que nossa seleção leva o caneco.

Como a população local acompanha esse time na Copa? Existe fanatismo, como tem no Brasil?
A população está muito confiante com essa geração belga. Aliás, é a melhor de todos os tempos. Mas não vejo o torcedor belga fanático como o brasileiro. A nossa festa é bem maior no Brasil.

Tivemos outros brasileiros que foram convocados para jogar pela Bélgica. Você sonha com essa oportunidade?
Na verdade, estou aqui há anos e tenho uma relação com o país que vai além do profissional. Hoje, sou cidadão belga e sonho com a oportunidade de uma convocação. Já fui sondado uma vez, sei que as portas estão abertas. Continuarei trabalhando forte para que um dia seja lembrado. Seria a continuidade de uma história bem legal de brasileiros por aqui, como já fizeram o Oliveira e o (Igor) De Camargo, que cheguei a conhecer.

A seleção atual tem vários jogadores filhos de imigrantes. Você considera que a Bélgica é uma seleção aberta para estrangeiros?
Difícil dizer. Na minha opinião, acho que estão abertos para aqueles que contribuem para a Bélgica crescer em qualquer setor. No meu caso, por exemplo, sempre trabalhei muito e fui muito bem recebido por colegas e torcedores. Se um dia eu vestir a camisa da seleção, não será apenas um brasileiro no time de outro país. Por toda essa história que tenho, acho que seria bem recebido.