Chelsea se desculpa por casos de abuso sexual nos anos 1970

Ao todo, investigação apontou 23 crimes ocorridos no clube. Assistente-técnico teria acobertado crimes

Catherine Ivill - AMA/Getty ImagesCatherine Ivill - AMA/Getty Images

atualizado 06/08/2019 18:15

A carreira do ítalo-inglês Dario Gradi pode estar se aproximando do fim da pior maneira possível. Uma investigação do advogado Charles Geekie, especialista em proteção a crianças, confirmou a existência de casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes que atuavam pelo Chelsea nos anos 1970. Ao todo, foram revelados 23 casos de abusos, incluindo até mesmo a ocorrência de um estupro, quando o chefe dos olheiros do time, Eddie Heath, ficou a sós em uma sala com uma criança. O relatório aponta que o então assistente-técnico não informou os funcionários do clube sobre os crimes que ocorriam nas dependências do time. As denúncias começaram a surgir quando o pai de um jogador trouxe a denúncia a Gradi, que não se reportou aos superiores.

Por meio de nota, o Chelsea reconheceu os casos e pediu sinceras desculpas a todas as vítimas.

“A diretoria gostaria de agradecer a todos os sobreviventes e vítimas que ajudaram na revisão [do caso] e o clube pede desculpas incondicionalmente pelas terríveis experiências enfrentadas por alguns de nossos ex-atletas. É evidente pelo relatório que [Eddie] Heath era um perigoso e prolífico abusador infantil. Sua conduta foi além de repreensível”, lamentou.

Últimas notícias