Críticos e internautas detonam imagem de Marilyn em Blonde, da Netflix

Críticos internacionais e espectadores classificaram a produção como “sexista”, “cruel” e “detestável”

O fato do filme Blonde, protagonizado por Ana de Armas, ter sido ovacionado no Festival de Cinema de Veneza 2022 e elencar o primeiro lugar no Top 10 da Netflix não impediu que internautas se mostrassem revoltados com a releitura da vida de Marilyn Monroe. Isso porque críticos e espectadores classificam a produção como “sexista”, “cruel” e “detestável”.

A crítica de cinema Manohla Dargis escreveu no jornal The New York Times, segundo divulgado pela Variety, que Blonde é “o mais recente entretenimento necrófilo” que explora Monroe:

1/4
Ana de Armas em Blonde
Blonde
Ana de Armas como Marilyn Monroe

“Dadas todas as indignidades e horrores que Marilyn Monroe suportou durante seus 36 anos, é um alívio que ela não tenha que sofrer com as vulgaridades de Blonde, o mais recente entretenimento necrófilo para explorá-la.”

Já o pesquisador da Universidade da Califórnia disse: “Tive a extrema infelicidade de assistir Blonde na Netflix ontem à noite e deixe-me dizer que o filme é tão anti-aborto, tão sexista, tão explorador.” “Não posso recomendar MENOS. Não assista. As cenas de aborto em particular são terríveis, mas o filme inteiro também é”, completou.

“O filme não é realmente sobre Marilyn Monroe. Trata-se de fazê-la sofrer”, apontou o crítico de cinema do Los Angeles Times, Justin Chang.

Nas redes sociais, internautas também mostraram não gostar da produção de Andrew Dominik. “Em quase 3 horas de filme uma mulher é hostilizada, violentada, exposta e torturada. Em uma hora, já tínhamos visto a protagonista sofrendo uma tentativa de homicidio, um estupro e um aborto. Mas não vemos nada SOBRE ela”, disse uma internauta.

“Blonde é totalmente machista e sexista. Reduz a Marilyn ao estereótipo da loira burra hipersexualizada e surtada, beirando o colapso, deixando de lado todo o talento que a mesma tinha. Os únicos pontos positivos pra mim são a atuação de Ana de Armas e a fotografia que é perfeita”, apontou outro.