Mon Laferte, quem é a cantora que protestou no Grammy Latino 2019

Com os seios à mostra, a artista chilena condenou os atos da polícia de seu país no tapete vermelho da premiação

atualizado 15/11/2019 8:52

Joe Buglewicz/Getty Images

Mon Laferte, na noite dessa quinta-feira (14/11/2019), roubou a cena no tapete vermelho do Grammy Latino 2019 ao protestar, com os seios de fora, contra a violência estatal no Chile.

Ao chegar ao tapete vermelho da premiação, Mon Laferte protestou com os seios a mostra. Ela escreveu: “No Chile, eles torturam, estupram e matam”. A artista ainda ostentava um lenço verde no pescoço, manifestando-se a favor da legalização do aborto.

Gabe Ginsberg/Getty Images
Mon Laferte levou para casa o prêmio de Melhor Álbum de Música Alternativa, por Norma

Aos 36 anos, Mon Laferte nasceu no Chile, na cidade de Vinã Del Mar, mas fez grande parte de sua carreira no México. Na edição 2019 do Grammy Latino, a artista levou para casa o prêmio de Melhor Álbum de Música Alternativa, por Norma. Em seu discurso de agradecimento, ela voltou a protestar.

Mon Laferte pediu justiça para a população chilena e apoiou a luta dos manifestantes de seu país, que, há cerca de um mês, vão as ruas contra o governo do presidente Sebastián Piñera.

Carreira musical

Em Norma, disco que faturou o Grammy Latino 2019, Mon Laferte – cujo o nome verdadeiro é Norma Monserrat Bustamante Laferte – utiliza os elementos da música latina tradicional mesclados ao pop global. O disco, além da boa acolhida da crítica, foi sucesso de público.

Recentemente, a artista lançou o single Plata Ta Tá, em parceria com Guaynaa.

Depois de um início em reality show chileno, a cantora se mudou para o México. No outro país, ela deu início a versões covers de sucessos e começou a ficar conhecida. O single Tu Falta de Querer, de 2015, fez Mon Laferte explodir.

Greg Doherty/Getty Images

A cantora passou a participar de diversos eventos musicais. Em 2019, participou do Coachella e do Billboard Latin Music Awards. Vegana, Mon Laferte sempre teve o protesto político em seu DNA.

Atualmente, ela é a cantora chilena mais popular no mundo, com milhões de seguidores nas redes sociais e nas plataformas de streaming.

Últimas notícias