*
 

“Eu sou surfista do Lago Paranoá”. É difícil um brasiliense ouvir a canção do Natiruts e não se identificar. Sampa, composição de Caetano Veloso, imediatamente nos transporta para o ponto onde o coração “cruza a Ipiranga e a avenida São João”. Apaixonados por letras e melodias sobre praias, bairros, monumentos e cidades, o publicitário José Celso e o designer gráfico Diego Belo criaram o MapSongs – plataforma colaborativa com músicas que citam lugares de várias partes do mundo.

Dá até para fazer um roteiro de viagem: começa com Sweet Home Alabama, de Lynyrd Skynyrd; passando pelo Taj Mahal, na Índia, canção de Jorge Ben Jor, e pela rua Penny Lane, em Liverpool, imortalizada pelos Beatles; e chegar até A Ilha do Amor, Madagascar, pelos batuques do Olodum, então ver as estrelas das Noites de Madagascar na companhia das rimas de Emicida. Ou mesmo planejar passeios por lugares citados nos seus hits favoritos. Tudo isso é possível com a plataforma. “Quanto mais músicas e lugares, mais divertidos o roteiro e a playlist”, afirma o criador José Celso.

Simples e eficaz, o projeto consiste em um mapa do Google Maps com link para as músicas do Spotify. Basta clicar e ser transportado pelas ondas sonoras até o endereço escolhido. No ar há apenas três meses, o site já possui um arquivo com mais de 200 faixas. “A recepção tem sido ótima. Muita gente compartilhou no lançamento e continua nos enviando sugestões diariamente”, conta José Celso.

O gatilho
Mineiros de Belo Horizonte, os criadores bolaram o projeto em 2013, depois de inspiração de José Celso. “No Carnaval, eu andava por Ipanema quando li a plaquinha ‘Rua Nascimento Silva’, endereço que abre a música Carta ao Tom 74, de Vinícius e Toquinho. Como sempre gostei muito da canção, li cantarolando o verso e fiquei encantado de estar ali, naquele local de que sempre tinha ouvido falar”, relembra o publicitário.

De acordo com José Celso, a ideia ficou guardada na gaveta por alguns anos, “por falta de tempo e até limitação técnica”, até que se lembrou de Diego e o convidou para executar o projeto. “Ele curtiu na hora e praticamente botou de pé, em dois meses, tanto a identidade visual quanto o funcionamento do mapa”.

“No princípio, eu e Diego fomos adicionando as músicas que nós dois lembrávamos. Mas a maior parte dessas mais de 200 canções do site foi enviada pelos usuários”, explica José Celso.

Playlist eclética
Ao navegar pelo site, pesquisadores e amantes de música vão esbarrar com algumas curiosidades, como reparar que a canção Pela Internet, de Gilberto Gil, passa por oito lugares diferentes: Taipé, em Taiwan; Helsinque, na Finlândia; Calcutá, na Índia; Connecticut, nos Estados Unidos; Milão, na Itália; Gabão, Nepal e Japão.

Pode-se ainda percorrer o continente africano – fonte de inspiração para muitos compositores, em especial os brasileiros. No mapa, há citações: à Tanzania, em Mama África, de Chico César; Angola, com Morena de Angola, na voz de Chico Buarque; Cabo Verde e Luanda, em Mufete, do rapper Emicida; e também o Canto para Senegal, dos baianos da Banda Reflexu’s, umas das primeiras a levar o axé para o eixo Rio-São Paulo e aparecer no programa Cassino do Chacrinha, da TV Globo.

“O mapa vai ficar muito mais rico à medida que pessoas de lugares diferentes adicionarem músicas locais”, considera o publicitário. As atualizações e melhorias na ferramenta serão constantes. “O maior desafio agora é manter a ideia relevante”, conclui.