A Referência Galeria de Arte abre neste sábado (19/9), às 17h, uma mostra individual de Raquel Nava reunindo sua mais recente produção. Intitulada pela curadora Graça Ramos de “Passeio Selvagem”, a exibição segue em cartaz na sobreloja da 205 Norte até 17/10.

Ainda que pequena, esta coleção dá ideia da versatilidade da brasiliense Raquel Nava, 34 anos, já conhecida por conseguir se expressar com semelhante força nos mais diferentes suportes. Assim, a mostra traz quatro pinturas, quatro desenhos, quatro fotografias e um par de metacrilatos (impressões em acrílico). Desta feita, não entraram os animaizinhos taxidermizados que habitam o imaginário de Raquel e foram protagonistas de sua exposição “A Morte Chega Cedo”, em janeiro, na Alfinete Galeria.

A artista plástics raquel navas, durante a montagem da exposição "Caminho Selvagem"

A artista plástica Raquel Nava, durante a montagem de “Passeio Selvagem”

O interesse de Raquel Nava por elementos biológicos, então, surge na Referência de maneira um tanto mais sutil. Algumas patinhas decepadas aparecem nos metacrilatos e nas fotografias. Quase totalmente dedicada a atividades pictóricas, a mostra é completada por quatro objetos, quatro totens de pequeno porte, formados por cuias de chimarrão que a artista trouxe de sua temporada em Buenos Aires há quatro anos. Cada um desses objetos, impossível não notar, tem como base uma pata de vaca.

Parasitas
Um outro elemento biológico se imiscui em três das quatro pinturas feitas com esmalte sintético. Nessas, a tinta branca ganha inesperadas colorações rosáceas. São lembranças da cochonilha, um parasita utilizado para tingir tecidos e que está presente nas fórmulas industriais de iogurte como corante natural. Cultivada no deserto peruano em largas plantações de cactus, a cochonilha vem pontuando e colorindo o trabalho acadêmico e artístico de Raquel Nava há quase uma década e já a arrastou até a zonas restritas da região de Nazca, no Sul do Peru.

Este “Passeio Selvagem” de Raquel Nava, portanto, não se limita às paredes da Referência. “Escolhemos esse título porque a Raquel não está nada preocupada com a decoração de interiores”, explica Graça Ramos. “Ela tem um gestual forte em suas telas, ela fisicamente se joga na pintura. Sua expressão é livre, sua obra tem força e tensão.”

De 19/9 a 17/10, na Referência Galeria de Arte (205 Norte, Bloco A, Loja 9; 3363-3501). De segunda a sexta, das 12h às 19h; sábados, das 12h às 17h. Entrada franca. Livre.