Categorias: Cinema

Crítica: A Divisão lembra onda de sequestros no Rio dos anos 1990

A Divisão, novo filme do diretor Vicente Amorim (Corações Sujos, Motorrad), volta aos anos 1990 para mostrar o surto de sequestros no Rio de Janeiro. Apesar de dividir o título com série do Globoplay que deve ganhar segunda temporada ainda em 2020, o longa funciona como produto independente.

O chefe de polícia Paulo Gaspar (Bruce Gomlevsky), personagem usado principalmente para expor as principais contradições da segurança pública no estado ao longo da trama, dá a letra.

Solucionar o problema dos sequestros envolve desmontar toda uma indústria por trás dos crimes. O envolvimento vai dos bandidos propriamente ditos a autoridades políticas e policiais interessadíssimas nos altos valores de resgate.

Marcos Palmeira no papel de delegado da DAS: policial misteriosomore
Ao centro, o político (Dalton Vigh) que teve a filha sequestrada: onda de crimes incomodava a elitemore
Agentes de polícia controversos: um é torturador, o outro, corruptomore
Cena de A Divisão filmada em Benfica, no centro do Rio. Produção do AfroReggae foi fundamental para a escolha de locaçõesmore
Natália Lagemore

O caldo engrossa quando é sequestrada a filha do deputado Venâncio (Dalton Vigh), candidato a governador do Rio com planos de chegar à Presidência da República. Entra em cena a Divisão Antissequestro (DAS), com um time de policiais no mínimo questionável.

Roberta (Natália Lage), Santiago (Erom Cordeiro) e Ramos (Thelmo Fernandes) nutrem má fama na corporação. Costumam aproveitar-se da proximidade de traficantes para praticar extorsão, entre outros abusos.

Mendonça (Silvio Guindane) não poderia lembrar mais o infame Capitão Nascimento, da franquia Tropa de Elite. Para ele, bandido bom é bandido morto. Não hesita em torturar ou mesmo exterminar à queima-roupa um oponente. Nos bastidores, atua o malandro delegado Benício (Marcos Palmeira), acostumado a quase nunca sujar as mãos.

A Divisão: filme estreia em janeiro e segunda temporada, provavelmente no segundo semestremore
O diretor Vicente Amorim: estreou com O Caminho das Nuvens (2003). Também assinou longas como Um Homem Bom (2008), protagonizado por Viggo Mortensen, e Irmã Dulce (2014)more
Silvio Guindane no papel de Mendonça: policial temido por colegas e bandidosmore
Natália Lage e Erom Cordeiro prestes a extorquir um traficante: métodos questionáveismore

A Divisão, como vários outros thrillers urbanos (brasileiros ou estrangeiros), assume o ponto de vista dos policiais como maneira tanto de tentar expor a podridão corporativa e política em torno das operações quanto problematizar as consequências destrutivas dessas ações. Até aí, tudo bem. Só que essa intenção fica no discurso.

O principal problema é mesmo o como. Excesso de câmera subjetiva e tiques publicitários – música eletrônica pesada em cenas tensas, fotografia “suja” saturada e desbotada ao mesmo tempo, luzes estouradas – dão um incômodo ar genérico a quase tudo que se vê na tela. Nem a mais simples cena de diálogo se salva desse olhar “desestabilizante” da lente tremida, por exemplo.

A falta de sutilezas atrapalha até o que o filme poderia ter de distinto, como o caprichado gore nas sequências de violência. A maioria delas exalam um ar “malvadinho” à la Rambo: Até o Fim (2019): a brutalidade cinematográfica querendo se sobrepor à truculência do mundo aqui fora, num jogo de espelhos calcado num ideal ingênuo de “realismo”.

Também não ajuda A Divisão a tentativa de reflexão a fórceps nos 45 minutos finais, com reviravoltas chegando de última hora. Sim, é um filme sobre como o Rio só consegue remediar uma chaga da segurança pública quando há interesse de poderosos. Uma pena que essa reflexão fique tão soterrada por entulhos narrativos e visuais quando alcançamos os créditos finais.

Avaliação: Ruim

Felipe Moraes

Formado em jornalismo pela Universidade Católica de Brasília (UCB), Felipe Moraes é repórter de cultura e crítico de cinema no Metrópoles. Passou pelas redações do jornal Correio Braziliense e da revista Veja Brasília. É membro da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) e escreveu artigos para livros publicados pela entidade. Participou do Júri da Crítica (Abraccine) no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB) de 2013 e 2018 e do Júri Oficial no FBCB de 2014.

Últimas notícias

DF: fabricante terá que indenizar cliente que se queimou com café

Queimadura teria ocorrido por mau funcionamento da garrafa térmica produzida pela empresa, conforme a Justiça

4 minutos passados

Coronavírus: governo prevê déficit recorde de R$ 419 bi em 2020

O valor inicialmente previsto era de R$ 124 bilhões. Número foi revisto por causa do aumento de gastos públicos no…

7 minutos passados

Justiça condena homem que matou desafeto enforcado na Asa Sul

O condenado acreditava que a vítima havia roubado suas drogas e cometeu o crime

11 minutos passados

Saúde começa a cadastrar médicos para atender em outros estados

Pasta publicou portaria nesta quinta-feira (02/04) para ter ideia de quantos profissionais estão dispostos a se realocar

15 minutos passados

Bolsonaro diz ter “vergonha” da aproximação entre Lula e Doria

O presidente falou na noite desta quinta-feira (02/04) com o jornalista Augusto Nunes e criticou muito o governador paulista

15 minutos passados

Covid-19: escola do Gama produz máscaras para unidades de saúde

A estimativa é que a primeira leva de produção já seja doada nesta sexta-feira (03/04) para o Hospital Regional do…

17 minutos passados