Cannes: “Parasite”, de Bong Joon-Ho

O diretor sul-coreano, capaz de unir sucesso de crítica e público, lança fábula sobre a desigualdade entre classes sociais.

Festival de Cannes/DivulgaçãoFestival de Cannes/Divulgação

atualizado 25/05/2019 17:04

Aqui no Festival de Cannes, parece que o maior medo dos diretores hoje não é a crítica, mas o spoiler. O último de Bong Joon-Ho é precedido por uma carta do próprio diretor sul-coreano, pedindo aos jornalistas que não revelem o enredo do filme depois de um ponto específico da história. É o mesmo pedido feito pelos criadores do outro grande lançamento de hoje, “Once Upon a Time… em Hollywood”, de Tarantino. Mas enquanto esse filme é nostálgico por uma época de 50 anos atrás, “Parasite”, de Joon-Ho, é um ponto de vista muito moderno sobre questões seculares: a relação entre as classes econômicas de uma sociedade.

O adolescente Ki-Woo (Choi Woo-Sik), junto com sua irmã Ki-Jung (Parque So-Dam), a mãe Chung-Sook (Jin Chang Hyae), e o pai Ki-Taek (Song Kang-Ho) moram em um apartamento de porão numa favela de Seul, todos desempregados. Entre dobrar caixas de pizza de papelão, o único trabalho que conseguem, e comer refeições em sua sala de estar, eles não têm perspectivas até que um amigo de Ki-Woo chega com duas oportunidades intrigantes. A primeira é um presente, um pesado pedaço de rocha em uma caixa ornamentada, de seu parente falecido, e o segundo, um anúncio. Ele, o amigo, está se mudando para os Estados Unidos e recomendou Ki-Woo como professor particular de uma jovem filha de um casal rico.

Depois de um pouco de engenharia criativa, Ki-Woo tem um diploma universitário na mão, prestes a partir para uma entrevista de emprego, orgulhando seu pai: “Eles têm um curso de falsificação em Oxford “? Uma vez que ele consegue o emprego, Ki-Woo conhece a riquíssima família Park: a mãe Yeon-Kyo (Cho Yeo-Jeong), uma dona de casa meio abobada, porém esforçada, a adolescente Da-Hye (Ziso Jung), que precisa de aulas particulares e está muito mais interessada em estudar seus impulsos sexuais do que livros escolares, Da-Song (Hyeon Jun Jung), uma criança hiperativa, e o Sr. Park (Lee Sun-Kyun), o executivo corporativo com um comportamento muito calmo e sereno. O fato de essas duas famílias serem compostas com o mesmo número de pessoas e a mesma distribuição de gêneros não é um acidente metafórico.

Percebendo uma oportunidade, Ki-Woo observa calmamente que Da-Song, mal-humorado e aparentemente fora de controle, poderia precisar de uma professora de arte. A mãe é muito orgulhosa da obra artística de seu filho, que ela compara a Basquiat, e está feliz por um reconhecimento de seu potencial. Naturalmente, a professora que Ki-Woo recomenda é sua própria irmã, mas ninguém precisa saber que os dois são parentes. Uma vez que ela está instalada na casa, as posições do motorista do Sr. Park e da governanta da casa também parecem bem interessantes …

Joon-Ho está muito feliz em navegar um universo satírico e, no meio do filme, parece que estamos testemunhando uma visão moderna dos contrastes entre dois campos da luta de classes. Do cafofo subterrâneo da família de Ki-Woo, para o incrível castelo de vidro e pedra da família Park, para as pequenas tensões que vão crescendo na psique de cada família, tudo lembra muito “Gosford Park”, de Robert Altman, de forma temática. As semelhanças continuam entre os dois filmes, onde, no meio da história, ocorre uma surpresa e o clima fica turbulento.

Enquanto o cinema britânico está preocupado em como as diferenças de classe são formais e fechadas, contendo e controlando todo seu drama, os fãs do trabalho anterior de Bong Joon-Ho, incluindo outra sátira abertamente metafórica quanto à estrutura social, “Snowpiercer”, sabem que suas sensibilidades são muito mais explosivas. Seu maior truque em “Parasite”, porém, é que os ricos não são pessoas puramente desprezíveis, e que as simpatias do público podem estar alinhadas com as tribulações dessas duas famílias, pelo menos por um tempo.

O público americano ficará incrédulo com a forma como os temas e as escolhas narrativas deste filme são similares a outro recente sucesso, “Nós”, de Jordan Peele. Dois cineastas trabalhando em culturas, línguas e países separados, eles sincronizaram seus filmes de maneiras que revelam como é necessário que populações e governos considerem e procurem soluções para a desigualdade entre classes. A descida da comédia para o confronto assombra as mentes de cineastas de todo o mundo.

Avaliação: Ótimo

Últimas notícias