*
 

Aos 80 anos, Jean-Claude Bernardet é o grande personagem do 49º Festival de Brasília. Não por acaso, retorna à capital em duas frentes. Ergue sua própria biografia em “A Destruição de Bernardet”, com exibição especial nesta quinta (22/9), às 19h, no Cine Brasília, e recebe a inédita medalha Paulo Emílio Salles Gomes no encerramento da mostra (27/9).

Mesmo debilitado pelo vírus HIV e convivendo com problemas de visão, o belga radicado no Brasil deu um tempo na carreira de crítico, professor e escritor para se tornar ator. Era o que faltava para completar um artista já múltiplo, que trafegou entre roteiro e pesquisa por décadas.

Dirigido pela dupla Claudia Priscilla e Pedro Marques, “A Destruição” é uma tentativa de biografar diversas personas. Entre momentos encenados e documentais, Bernardet mistura conversas, cultiva memórias, fala sobre velhice. Um intelectual diante do espelho.

As atuações de Bernardet:

 

Qualquer homenagem a Bernardet nunca vem por acaso. Ao longo dos anos, o escritor acumulou prêmios Candango pelos roteiros de “O Caso dos Irmãos Naves” (1967), “Um Céu de Estrelas” (1996) e “Hoje” (2011), ambos de Tata Amaral.

Na posição de ensaísta e pensador, publicou livros como “Cinema Brasileiro – Propostas para uma História”, “Brasil em Tempo de Cinema”, espécie de balanço sobre o Cinema Novo, e a ficção autobiográfica “Aquele Rapaz”.

Desde que decidiu atuar, enumera passagens pelo festival. Venceu o prêmio de melhor ator pelo trabalho em “FilmeFobia” (2008), de Kiko Goifman, diretor com o qual voltaria a trabalhar em “Periscópio” (2013).

Daí em diante, apareceu sob tantos outros papéis: ele próprio em “Filme B” (2013), documentário sobre “Brasília, Contradições de uma Cidade Nova” (1968), que teve roteiro escrito por Bernardet; um par romântico com Everaldo Pontes em “Pingo d’Água” (2014); um andarilho que caminha por São Paulo em “Fome” (2015). Um artista em eterno processo de descoberta.

Próximas exibições das Sessões Especiais, com entrada franca:

Cine Brasília

Quinta (22/9)
19h – “A Destruição de Bernardet” (SP, 72min, 12 anos), de Claudia Priscilla e Pedro Marques

Segunda (26/9)
19h – “Beduíno” (RJ, 75min, 12 anos), de Júlio Bressane

Cine Cultura Liberty Mall

Quinta (22/9)
17h – “Precisamos Falar do Assédio” (SP, 80min, 18 anos), de Paula Sacchetta
19h – “Câmara de Espelhos” (PE, 76min, livre), de Dea Ferraz

Sexta (23/9)
17h30 – “A Destruição de Bernardet” (SP, 72min, 12 anos), de Claudia Priscilla e Pedro Marques

Sábado (24/9)
21h – “Estive em Lisboa e Lembrei de Você” (RJ, 94min, 16 anos), de José Barahona

Terça (27/9)
17h – “Beduíno” (RJ, 75min, 12 anos), de Júlio Bressane

49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro
A terça (27/9), no Cine Brasília (Entrequadra 106/107 Sul, 3244-1660). Mostra competitiva: R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia). Entrada franca em mostras paralelas e sessões especiais. A classificação indicativa varia de acordo com os filmes. Programação completa e agenda de reprises no site oficial.

 

 

COMENTE

festival de brasíliajean-claude bernardetfestival de brasília 201649º festival de brasíliaa destruição de bernardet
comunicar erro à redação

Leia mais: Cinema