Vídeo. Funcionários reclamam de falta de salários após mercado fechar

O mercado Super Legal, em Águas Claras, fechou as portas há cerca de duas semanas por conta de problemas com o pagamento da conta de luz

atualizado 21/03/2022 15:27

Divulgação/Material cedido ao Metrópoles

Ao menos 12 funcionários do mercado Super Legal, localizado dentro do Duo Residence Mall, em Águas Claras, protestaram em frente ao estabelecimento na manhã desta segunda-feira (21/3). Pediam pagamentos de salários atrasados, acertos de rescisões e os valores do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

O estabelecimento fechou as portas há cerca de duas semanas por conta de problemas com o pagamento da conta de luz e deixou trabalhadores com os salários atrasados. Dois funcionários saíram da empresa em 7 de fevereiro deste ano, enquanto o restante sofre com os vencimentos não pagos. O Super Legal afirmou ao Metrópoles que os débitos serão quitados ainda hoje.

0

Veja reclamação dos funcionários:

Pelas imagens, é possível ver uma das funcionárias reclamando sobre os atrasos. “Se está chegando mercadoria, cadê nosso salário? Cadê nossa rescisão? Vai abrir outro mercado no Jardim Botânico e cadê nosso salário?”, questiona.

A advogada Ana Paula Moreira, 40 anos, explica que a empresa deve acertar a rescisão até 10 dias depois das demissões. Caso contrário, há a incidência de multa de 40%. “Ainda não dá para ter uma noção [de quanto é o valor a receber]. Quando é assim, levo para um contador”, explica.

Segundo a representante da empresa, os funcionários conseguiram fazer uma reunião com os responsáveis pelo estabelecimento, quando ficou prometido que as rescisões e o dinheiro do FGTS seriam depositados nesta terça-feira (22/3).

Procurado pelo Metrópoles, Mauro Jordão, 43 anos, explica que o atraso nos vencimentos ocorreu em decorrência da falta de acordo com a Neoenergia. O dono do mercado Super Legal também afirma que pagou parte dos salários nesta segunda e que quitará o resto na mesma data. “Não vai ter problema com ninguém”, garante.

“Estamos negociando com a Neoenergia para retomar as atividades. Acredito que esta semana já esteja tudo normalizado”, afirma. O empresário pontua que parte do problema decorreu das dificuldades enfrentadas durante a pandemia da Covid-19 no Distrito Federal.

Mais lidas
Últimas notícias