Vídeo: fotógrafo acusa policial penal de bater por querer em seu carro

Além do acidente, servidor público teria mostrado uma arma de fogo para o motorista do outro veículo

atualizado 07/01/2022 12:15

Homem segura celularReprodução

Uma suposta fechada no trânsito terminou com uma batida proposital entre dois carros na noite dessa quarta-feira (5/12), no Lago Sul. O choque teria sido provocado pelo policial penal Camilo Oliveira Silva Neto (foto em destaque). Além do acidente, o servidor teria mostrado uma arma de fogo para o motorista vítima dos danos. “Eu tenho porte de arma”, alegou.

Delegado da PF foge após bater viatura e deixar vítima em estado grave

A cena foi registrada pelos celulares do motorista e da passageira envolvidos. O caso é investigado pela 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul).

Dono do automóvel avariado, o produtor e fotógrafo Paulo Sérgio Xavier da Silva, de 34 anos, conta que voltava para casa após buscar a namorada no trabalho, por volta das 21h20.

Veja o momento da discussão:

0

“Eu estava no sentindo aeroporto, indo para casa, em Águas Claras. Na altura da QL 6, estava na faixa da esquerda e percebi a aproximação de um carro pedindo passagem. Verifiquei se não tinha alguém, dei seta e fui para a direita”, diz.

Nesse momento, o veículo que estava atrás passou. No entanto, um Palio teria surgido atrás do carro de Paulo. “Apareceu um Palio atrás de mim, jogou pra esquerda e tentou passar para a direita novamente”, relembra.

Foi nesse instante que houve o choque. “Ele jogou o carro pra cima de mim, achei que ele tinha calculado errado o espaço e batido, porque é algo que acontece”, declara.

Porém, segundo o fotógrafo, o homem desceu do carro com a arma na mão e colocou na cintura. “Você fechou polícia”, teria dito. “Ele falou que eu podia ser um bandido fugindo, tentando fazer algum coisa com ele.”

Pelas imagens, é possível observar que o homem diz desconfiar de Paulo. “Eu achei que era um marginal.”

O Metrópoles não conseguiu fazer contato com o homem que aparece nas imagens. O espaço segue aberto para eventuais manifestações.

Já a Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal (Seape) informou que irá apurar o caso. “Após elucidação dos fatos, caso seja constatada infração disciplinar, o policial penal será devidamente responsabilizado. A pasta reitera que não coaduna com desvios de conduta por parte de seus servidores”, disse, em nota.

Mais lidas
Últimas notícias