Viaduto entre Parque e SIG só depende do governo federal

Secretaria de Obras e Novacap aguardam resposta do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) acerca de correções no edital de licitação

O projeto de construção do viaduto da Estrada Parque Indústrias Gráficas (Epig), que vai ligar o Sudoeste, na altura da Avenida das Jaqueiras, ao Parque da Cidade, avançou.

A Secretaria de Obras e Infraestrutura do DF concluiu documento com adequações técnicas ao edital de licitação e aguarda aprovação do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), responsável pelo repasse dos recursos da obra, para dar continuidade à licitação e execução do empreendimento, orçado em R$ 21,4 milhões.

Lançado em setembro de 2019, o Edital de Concorrência nº 001/2019 foi suspenso pelo Tribunal de Contas do DF (TCDF), em 3 de outubro, após alegações de irregularidades. Em 28 de novembro, os conselheiros da Corte de Contas autorizaram em plenário a continuidade da concorrência, desde que itens técnicos, preços e qualificações fossem corrigidos.

Em 2020, a Secretaria de Obras e a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) concluíram o projeto com as adequações pedidas e o encaminharam para homologação no ministério. A análise passa pelo governo federal porque a verba será liberada via União.

Ciclovia

A construção do viaduto é discutida desde 2014, quando houve o primeiro embargo, devido a questionamentos do Tribunal de Contas da União (TCU) e de grupos de ciclistas, que alegavam a falta de ciclovias.

Depois de cinco anos discutindo o assunto, com reuniões entre a Secretaria de Obras e organizações não governamentais (ONGs), ficou acordado que as ciclovias não estariam contempladas no canteiro central do viaduto, apenas na lateral da Epig.

Pacificado esse ponto, o edital foi lançado em 2019, mas novas correções solicitadas giraram em torno de escavação, carga e transporte de material por trator no local e dos custos de referência.

Procurado pela reportagem, o Ministério do Desenvolvimento Regional não havia se manifestado, até a última atualização deste texto, para comentar se há previsão para liberar os recursos. O espaço permanece aberto.

Previsão

O viaduto é uma iniciativa do GDF para reduzir os longos engarrafamentos na intersecção da Epig com o Sudoeste e o Parque da Cidade. Ao todo, 22 mil carros passam pela via todos os dias. As promessas de melhoria se iniciaram ao longo do governo de Agnelo Queiroz (PT) e seguiram no de Rodrigo Rollemberg (PSB).

Mas só em 2019, quando a licitação foi lançada na gestão Ibaneis Rocha (MDB), que o certame avançou. A Novacap chegou a marcar o pregão para 10 de outubro, mas houve suspensão por conta de questionamentos. Agora, com a liberação, que ocorreu em 28 de novembro de 2019, por parte do TCDF, o empreendimento volta a caminhar.

O objetivo, com a construção, é tirar os semáforos que interferem no fluxo de veículos, como o que existe em frente ao Complexo da Polícia Civil e o que fica em frente à saída de carros do Parque da Cidade.

Os trevos na Epig serão feitos em trincheiras, ou seja, de forma subterrânea. A obra também permitirá sair do Sudoeste e pegar a Epig sentido Plano Piloto – e vice-versa – sem a necessidade de retorno.

Como o viaduto faz parte de uma série de intervenções do corredor Eixo Oeste, os trabalhos devem incluir o alargamento de vias. Com isso, no futuro, a estimativa é de que toda a Epig tenha quatro faixas, uma delas exclusiva para o BRT.

Imagem aérea do Sudoeste: novo viaduto deve ajudar a desafogar o trânsito na Epig, uma das principais vias de acesso à região
Cinco viadutos

Quando os recursos forem liberados, as obras na Epig se somarão a outras intervenções viárias. Em 11 de fevereiro deste ano, o GDF anunciou a construção de outros cinco viadutos em pontos de tráfego intenso de veículos na capital da República.

De acordo com o governo, as intervenções viárias melhorarão acessos de regiões administrativas onde o gargalo de veículos em horário de pico é grande.

Na ocasião, o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF), Fauzi Nacfur, avaliou que as estruturas vão proporcionar mais fluidez no trânsito em pontos críticos da cidade. “Comprometem o tempo das pessoas quando vão para o trabalho ou quando voltam para casa. Teremos agilidade no trânsito”, frisou.

As previsões de obras são para o entroncamento do Recanto das Emas com a DF-001; para Sobradinho, no viaduto de acesso pela BR-020, chamado de viaduto do Comper; na ligação do Itapoã com o Paranoá; no entroncamento da EPNB com o Riacho Fundo; e na região sul do DF, próximo ao Mangueiral.