Tatuador que matou comerciante no DF é condenado a 16 anos de prisão

Apesar da condenação, Alan de Oliveira Carvalho poderá recorrer em liberdade

atualizado 15/04/2021 19:55

Acusado de matar o comerciante Marlon Castro França em uma drogaria de Samambaia em março de 2018, Alan de Oliveira Carvalho foi condenado, nessa quarta-feira (15/4), a 16 anos e 4 meses de prisão. Apesar da pena, o autor de seis tiros contra a vítima poderá recorrer em liberdade.

O Tribunal do Júri concordou com a fundamentação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), que sustentou acusação contra o réu pelos crimes de homicídio qualificado por motivo fútil e porte ilegal de arma de fogo.

Com a condenação, o MP pediu que fosse decretada a prisão, mas a solicitação foi indeferida e o réu pode recorrer em liberdade.

Relembre o caso

Alan é tatuador conhecido em Samambaia. Ele e Marlon se desentenderam porque a vítima não queria a esposa fosse tatuada pelo profissional. Por esse motivo, o réu foi armado até o trabalho da vítima, que era dono de uma farmácia localizada na QR 403 de Samambaia.

Após uma breve discussão, o tatuador descarregou o revólver e atingiu Marlon com seis disparos. O comerciante morreu no local. A vítima, que tinha 51 anos à época do crime, deixou esposa e dois filhos.

Últimas notícias