*
 

A violência continua sem dar trégua aos brasilienses. No sábado (2/6), a Polícia Civil registrou três homicídios no Distrito Federal. Em um deles, em Planaltina, uma comerciante perdeu a vida durante um tiroteio. De acordo com a PCDF, Luciana Evangelista Duarte, 39 anos, estava conversando na pizzaria conversando com um amigo quando um homem chegou ao local e disparou, atingindo-a.

O amigo ficou ferido com estilhaços e a mulher não resistiu aos ferimentos. A comerciante chegou a ser socorrida pelos bombeiros que, durante 50 minutos, tentaram reanimá-la. O homem que estava com ela, identificado como C.S.N.N., 47 anos, não precisou ser hospitalizado. A 31ª Delegacia de Polícia, em Planaltina, está responsável pela investigação do caso.

O homicídio de Luciana não foi o único caso do final de semana. Também no sábado, um rapaz de 21 anos foi atingido por disparos de arma de fogo na QS 16, no Riacho Fundo II e morreu pouco depois. No entanto, a Polícia Civil ainda não tem uma linha de investigação do que teria motivado o homicídio.

Já em Ceilândia, policiais encontraram o corpo de um homem às margens da BR-070. O cadáver aparentava estar cravado de balas e tinha marcas supostamente de pauladas.

Segundo o Sindicado dos Policias Civis do Distrito Federal (Sinpol/DF), além dos homicídios, foram registrados sete roubos em comércio, seis em coletivos, 12 em veículos, 49 de pedestres, além de um estupro e três sequestros relâmpago (roubo com restrição de liberdade).

Um dos assaltos a comércio ocorreu em uma padaria na Quadra 01, do Itapoã. Por volta das 15h30 de sábado, três adolescentes invadiram o estabelecimento, renderam os funcionários e levaram R$ 106. Cerca de três horas depois, uma guarnição da PMDF conseguiu apreendê-los.

Dados da Secretaria de Segurança Pública e da Paz Social mostram que de janeiro a abril deste ano (último dado disponível), 172 pessoas perderam a vida de forma violenta no DF. Foram 159 homicídios, nove latrocínios (roubo seguido de morte) e quatro lesões corporais seguidas de morte.