Um aplicativo de celular pode ser o futuro das consultas na rede pública de saúde do Distrito Federal. A iniciativa, ainda em estudo, foi anunciada nesta segunda-feira (18/2) pela equipe de técnicos que acompanhou o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, em audiência pública na Câmara Legislativa.

Em teoria, o aplicativo funcionaria da seguinte maneira: o paciente teria acesso à marcação de consultas eletivas, sabendo se naquela unidade tem ou não o especialista desejado e a data disponível. Da mesma forma, o profissional responsável pelo atendimento – médico ou enfermeiro – saberá quem estará em sua agenda e quantas pessoas haverá naquele período.

O ponto central, que ainda não permite precisar a data do lançamento, é a busca por um aplicativo seguro para manter os dados dos pacientes em sigilo e que tenha uma área exclusiva tanto para os profissionais da saúde quanto para os pacientes.

A ferramenta deverá ter alarmes com avisos sobre os horários e dias das consultas. O serviço já existe na rede particular. É esse modelo que deverá ser reproduzindo na pública. No entanto, a novidade ainda não tem data para entrar em uso.