Mesmo com prioridade ampliada, estudantes da Saúde ainda não serão vacinados no DF

Segundo a Secretaria de Saúde, alunos da área que estagiam em hospitais não estão inclusos nesta fase. Veja quem será contemplado agora

Começa, nesta terça-feira (26/1), a vacinação contra a Covid-19 de uma nova gama de profissionais de saúde no Distrito Federal. Agora, além daqueles na linha de frente, serão contemplados todos os trabalhadores da área que estão na ativa na rede pública e nos hospitais da rede privada. A estratégia ficou definida em reunião do Comitê de Vacinação Covid-19 da Secretaria de Saúde, na segunda (25/1).

Segundo a pasta, porém, os estudantes da área de saúde – de cursos como medicina, enfermagem e odontologia, por exemplo – que estiverem estagiando em hospitais ainda não podem ser vacinados. A secretaria também não apontou previsão de quando esse grupo deve ser inserido no plano de imunização local.

Os trabalhadores inscritos nos programas de residência médica e multiprofissional estão incluídos. Contudo, na última semana, apesar de fazerem parte do grupo prioritário para a vacinação nesta primeira etapa, médicos residentes do Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib) paralisaram atividades após terem denunciado que não foram vacinados. 

Atualmente, trabalhadores da rede pública recebem as doses nas unidades na Região de Saúde em que atuam. Os profissionais de unidades privadas também continuam sendo vacinados nos locais de trabalho. Do mesmo modo, serão contemplados profissionais de saúde voluntários, de vigilância, limpeza e administrativo que atuam nas áreas supracitadas.

1/4
Segundo a Secretaria de Saúde, todos os profissionais que atuam na linha de frente de combate à Covid-19 já estão sendo vacinados
Lídia Rodrigues foi a primeira a ser vacinada no DF
Gustavo Moreno/ Especial para o Metrópoles
Gustavo Moreno/ Especial para o Metrópoles
Público-alvo

Em uma circular na qual a secretaria definiu as diretrizes da inclusão desses profissionais, consta que fazem parte do público-alvo agora todos os citados a seguir:

  • Trabalhadores de saúde da Rede SES/DF de todos os níveis de atenção à saúde, bem como do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges/DF), Serviço de Atendimento Móvel e Urgência (Samu), da Fundação Hemocentro de Brasília (FHB), da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (Fepecs) e da Administração Central (ADMC);
  • Trabalhadores dos hospitais privados, conveniados, filantrópicos, universitário e militares;
  • Trabalhadores dos serviços de Atenção Pré-Hospitalar (APH): Resgatistas do Corpo de Bombeiros Militar e outras instituições privadas que prestam APH;
  • Trabalhadores da saúde que serão vacinadores;
  • Idosos maiores de 60 anos que vivem em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI) e os colaboradores das instituições;
  • Pessoas a partir de 18 anos de idade com deficiência residentes em residências inclusivas (institucionalizadas) e os colaboradores das instituições;
  • Pacientes em AD2 e AD3 internação domiciliar, além de um cuidador familiar por paciente;
  • Pacientes em SAD-AC de internação domiciliar;
  • População indígena que reside em terras indígenas.

Não estão inseridos nesta fase da campanha outros serviços do setor privado, além dos hospitais. A pasta esclarece que “todos os trabalhadores de saúde serão contemplados com a vacinação, entretanto, a ampliação da cobertura desse público será gradativa, conforme a disponibilidade de vacinas pelo Ministério da Saúde”.

A vacinação dos profissionais de saúde das Unidades de Pronto Atendimento (UPA) deverá ser realizada mediante lista nominal aos Núcleos de Vigilância Epidemiológica e Imunização (NVEPI), os quais estão hierarquicamente subordinados às Diretorias Regionais de Atenção Primária à Saúde (Diraps). Eles devem controlar, supervisionar e organizar a vacinação in loco de acordo com cronograma específico.

A vacinação contra o novo coronavírus no DF teve início no dia 19 deste mês. Até a noite de segunda-feira (25/1), foram aplicadas 18.522 doses.