Mesmo com ordem judicial, paciente não consegue cirurgia no DF

Divanice Martins Ramos de Araújo, 65 anos, precisa implantar um neuromodulador para minimizar os sintomas da Doença de Parkinson

Imagem cedida ao MetrópolesImagem cedida ao Metrópoles

atualizado 18/09/2019 21:44

A família de Divanice Martins Ramos de Araújo, 65 anos, aguarda que o Distrito Federal cumpra uma decisão judicial que obriga a Secretaria de Saúde a comprar e implantar um neuromodulador – que funciona de forma semelhante a um marcapasso e serve para controlar os sintomas da Doença de Parkinson.

O problema começou em novembro de 2018 e, desde julho deste ano, há uma decisão transitada em julgado que determina a realização do procedimento na rede pública ou o pagamento a um parceiro que ofereça o serviço pela rede privada.

Somados os gastos com o equipamento e despesas médicas, o procedimento custa cerca de R$ 90 mil. Segundo a nora da paciente, Liz Gonçalves Rodrigues de Araújo, a única forma de aliviar os sintomas da sogra é o perfeito funcionamento do neuromodulador, que envia impulsos elétricos para o cérebro e estimula a área afetada pela doença.

Sem o equipamento que garante seu bem-estar, Divanice precisa tomar 15 remédios por dia. Nem sempre os medicamentos fazem efeito e isso afeta o sono, a fala, a coordenação motora e a locomoção da paciente.

“É a única forma de fazê-la se sentir bem. O aparelho fica no peito, como um marcapasso. Os eletrodos são fixados na cabeça e fios passam pelo corpo até o equipamento. Sem isso, ela tem dificuldade até para caminhar”, conta Liz.

A mulher de 65 anos colocou o equipamento pela primeira vez em 2012. A bateria foi feita para durar 48 meses, conforme indicação do fabricante, mas pode ter a validade estendida, segundo avaliação do médico. No caso de Divanice, a carga durou 65 meses e se esgotou no segundo semestre de 2018.

“Perante tal evolução, cremos que a manutenção do quadro deficitário incapacitante persistente, decorrente da patologia, trará ainda mais graves complicações e consequências a médio e longo prazos, além da baixa qualidade de vida e das inevitáveis anormalidades psicossociais”, escreveu o médico que assinou o laudo recomendando o procedimento.

Na primeira vez em que se usou o aparelho, a mulher teve melhora motora de 80%, o que mudou sua condição de incapacidade motora severa para moderada. “Sem o neuromodulador, o estado de saúde dela piorou muito, porque a doença não para de evoluir. O equipamento cumpre a função de reativar a parte afetada do cérebro”, conta a nora da paciente.

Na condenação contra o DF, a Justiça reconheceu que Divanice não tem condições de arcar com as despesas e determinou a realização do procedimento cirúrgico para o implante do neuromodularor com urgência.

A direção do Hospital de Base informou que já está providenciando a compra do neuroestimulador para a paciente. O produto custa em torno de R$ 80 mil – R$ 10 mil a menos do que o orçamento estimado pela família –, é importado e precisa seguir requisitos técnicos de qualidade e segurança, conforme informou a Secretaria de Saúde. “A expectativa é de que a compra do neuroestimulador seja finalizada em um prazo de aproximadamente 30 dias, se todos os trâmites ocorrerem com sucesso. A cirurgia para a implantação do produto será realizada no Hospital de Base”, diz a nota.

Últimas notícias