*
 

Candidatos às 425 vagas para médicos-residentes de 62 especialidades que vão atuar em hospitais públicos do Distrito Federal e na Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs) denunciam supostas irregularidades na prova aplicada, em Brasília, no último domingo (3/12), pelo Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades), para 6.025 inscritos. O caso foi parar no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

Eles alegam que algumas questões do teste objetivo eram similares ou iguais às que compuseram o certame para admissão de médicos-residentes do Hospital Santa Marta, realizado no sábado (2/12) e de responsabilidade da mesma banca organizadora.

Pelo menos cinco candidatos fizeram a reclamação, de forma anônima, na ouvidoria do MPDFT. A área encaminhará os relatos à Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde (Prosus), que tem competência para analisar a denúncia.

Alguns estudantes entraram em contato com a reportagem do Metrópoles. Segundo eles, em certas questões, a banca trocou as palavras ou a idade dos personagens fictícios incluídos nas perguntas, mas as respostas eram iguais. Os problemas mais frequentes foram encontrados nas questões sobre “cirurgia geral”.

Era muito parecido. Acreditamos que isso fere a isonomia do concurso, pois quem fez ou leu a prova do Santa Marta, no dia anterior, tinha mais chances de acertar as perguntas parecidas"
Candidato que preferiu não se identificar

Os testes e os gabaritos estão na página da organizadora, e é possível comparar os conhecimentos cobrados. Embora a prova do Santa Marta seja de múltipla escolha – quando a pessoa aponta apenas uma alternativa correta entre as cinco expostas pela banca – e a de médicos-residentes no sistema de “certo e errado”, há semelhanças entre algumas questões.

Em uma delas, são usadas palavras diferentes, mas o caso é o mesmo. Uma das respostas corretas é idêntica nas duas provas. Veja na imagem abaixo:

Arte/Metrópoles
O Iades admitiu a ocorrência de questões similares em alguns itens das duas provas questionadas. No entanto, por meio de nota, desconsiderou a possibilidade de falta de isonomia porque, segundo o instituto, “ambas as provas foram embasadas nas diretrizes curriculares do Ministério da Educação (MEC) para o curso de medicina e os candidatos já estão expostos aos temas abordados.”

Além disso, relatou que, após avaliação realizada pela Coordenação Pedagógica, oito itens da prova aplicada para a seleção de residência médica no Distrito Federal foram anulados. Logo após o contato do Metrópoles com a Secretaria de Saúde, na terça-feira (5), a pasta oficiou o Iades para pedir esclarecimentos sobre a similaridade das questões. “É um processo seletivo grande, vem gente de todo o país. Tem muita burocracia para escolher a banca. Selecionamos o Iades por ser um instituto idôneo”, afirmou a gerente de residência da Escs, Vanessa Campos.

O Instituto Santa Marta de Ensino e Pesquisa (Ismep) informou que, desde sua criação, em outubro de 2010, “contribui sistematicamente para a formação de médicos, acadêmicos de medicina e residentes, pelo seu Programa de Residência Médica, que ocorre por Processo Seletivo Público da Residência Médica, no qual o Ismep não interfere”.

Os concursos do Hospital Santa Marta para a residência médica ocorrem há cinco anos, sempre com a seleção e contratação de banca examinadora especializada, por tomada de preços, com participação de três empresas. Nessa última, o vencedor foi o Iades. “Até o momento, nada desabona a conduta do Iades, o que é corroborado pelo mesmo já haver cancelado algumas questões do certame que realizou a favor da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, postura que preza pela lisura e boas práticas de conduta, iniciativa e valores que o Ismep apoia”, afirmou o instituto, por meio de nota.

O programa
As residências no âmbito da Secretaria de Saúde do DF têm por objetivo treinar médicos que possam se tornar especialistas e ser inseridos na rede como futuros trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS).

No caso do concurso realizado no último domingo e questionado pelos estudantes, estão abertas vagas para 62 especialidades. Entre elas: ortopedia; traumatologia; pediatria; otorrinolaringologia; obstetrícia e ginecologia; entre outras.

Os candidatos aprovados precisam comprovar a conclusão do curso de graduação em medicina. O processo seletivo destina-se ao preenchimento de vagas nos hospitais: de Base (HBDF); Materno Infantil de Brasília (Hmib); Regional da Asa Norte (Hran); Regional de Taguatinga (HRT); Regional de Sobradinho (HRS); Regional do Gama (HRG); Regional de Ceilândia (HRC); Regional do Paranoá (HRPa); Regional de Santa Maria (HRSM); e São Vicente de Paula (HSVP).

Os residentes recebem do programa bolsas que ficam condicionadas à previsibilidade orçamentária e financeira do Governo do Distrito Federal e do Ministério da Saúde.

Concurso da PMDF
O Iades deve ser a banca organizadora que vai promover o concurso da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF). Apesar da autorização do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) para dar continuidade ao certame, a corporação ainda não assinou contrato com o instituto, porque o processo está aguardando parecer jurídico da Procuradoria-Geral do Distrito Federal (PGDF). O prazo para a manifestação da PGDF é até sexta-feira (8/12).

 

 

COMENTE

concursohospital públicosecretaria de saúde do DFiadesMédico residente
comunicar erro à redação

Leia mais: Saúde