Após quedas, média móvel de mortes por Covid-19 volta a subir no DF

Na comparação com o indicador apurado há 14 dias, no entanto, houve redução de 1,6% – o que indica estabilidade no período

Após quedas consecutivas nos últimos dias, a média móvel de mortes por Covid-19 no Distrito Federal voltou a subir neste domingo (7/2) e chegou a 9,14. Na comparação com o indicador apurado há 14 dias, no entanto, houve redução de 1,6%.

Devido ao tempo de incubação do novo coronavírus, adotou-se a recomendação dos especialistas no sentido de comparar a média móvel do dia com a de duas semanas antes. As oscilações no número de mortes ou de casos de até 15% para mais ou para menos caracterizam invariabilidade.

Desde o início da pandemia, o DF notificou 281.002 contaminações e 4.618 óbitos em decorrência da doença. Nas últimas 24 horas, foram 403 novas infecções e 10 mortes.

Taxa de ocupação nas UTIs

Segundo dados da Secretaria de Saúde do DF (SES-DF) atualizados às 17h10 deste domingo (7/2), 157 dos 279 leitos operacionais de UTI, Ucin e UCI destinados a pacientes da Covid-19 estão ocupados, o que equivale a 56,3% da capacidade da rede pública. O número inclui todos os leitos que não estão bloqueados.

Na rede privada, 155 dos 203 leitos adultos disponíveis estão ocupados — taxa de 76,35%. Acompanhar a taxa de ocupação dos leitos é uma das formas de medir a evolução da transmissão da doença.

Média móvel

Acompanhar o avanço da pandemia de Covid-19 com base em dados absolutos de mortes ou casos está longe do ideal. Isso porque eles podem ter variações diárias muito grandes e, principalmente, atraso nos registros. Nos fins de semana, por exemplo, é comum perceber redução significativa dos números.

Para diminuir esse efeito e produzir uma visão mais fiel, a média móvel é amplamente utilizada ao redor do mundo. A taxa representa a soma dos óbitos divulgados em uma semana, dividida por sete. O nome “móvel” é porque varia conforme o total de falecimentos dos sete dias anteriores.