Quartos em hotel de luxo no DF escondem prostituição, drogas e foragidos

Moradores denunciam que apartamentos passaram a ser usados por garotas de programa, traficantes e procurados pela Justiça

Casos recorrentes de prostituição, tráfico de drogas, roubos e furtos passaram a ser registrados com frequência em um apart hotel de luxo no coração da capital da República. Quartos alugados por meio da plataforma Airbnb — uma das maiores do mundo no quesito busca e reservas de acomodações — passaram a ser ocupados por suspeitos no Bonaparte Hotel Résidence. A gerência do empreendimento reconhece os incômodos e diz estudar maneiras para evitar os transtornos.

Moradores denunciam que unidades do prédio passaram a ser usadas por garotas de programa e dependentes químicos. Em outros casos, chegam a abrigar até criminosos procurados pela Justiça.

Residentes do local procuraram o Metrópoles para denunciar o que ocorre no interior dos apartamentos locados. Entre os vários incômodos, afirmam ser comum sentir cheiro de maconha pelos corredores. “Em algumas unidades, dá para perceber grupos que entram e depois saem da unidade a todo instante. São sinais que apontam para um possível tráfico”, disse um dos moradores, que, por medo de represálias, preferiu não se identificar.

Outro proprietário relatou a rotatividade de homens e os gemidos em outros apartamentos, supostamente ocupados por garotas de programa, que aproveitam os preços atrativos do Airbnb para alugar quartos e negociar programas com clientes. “Realmente, é uma situação constrangedora passar horas ouvindo gritos, principalmente durante as madrugadas. Fora isso, tem festa que entra noite adentro”, contou outra residente ouvida pela reportagem.

Homem preso

Há dois meses, a administração do hotel chegou a acompanhar a prisão de um homem. O suspeito foi detido em flagrante dentro das dependências do Bonaparte. Com mandado de prisão em aberto, ele havia alugado um apartamento pelo Airbnb, segundo o hotel, e deixou o edifício na companhia de equipes da Polícia Civil do DF.

A reportagem teve acesso a um vídeo gravado dentro de um dos apartamentos e que mostra como o locatário o encontrou. Restos de comida, acúmulo de lixo, móveis quebrados e banheiros em péssimas condições de higiene são alguns dos problemas encontrados pelo caminho. Em alguns casos, até as lâmpadas são furtadas pelos hóspedes.

Há contantes reclamações de preservativos descartados nas áreas comuns e até fezes no assoalho do banheiro da piscina.

1/5
Quando estava aberta, antes da pandemia provocada pelo novo coronavírus, a boate Alfa Pub, no Hotel Bonaparte, era um conhecido reduto de políticos que buscavam sexo rápido e discreto
Além de pagar pelos momentos de prazer, os clientes podiam adquirir drogas no estabelecimento
Quando aberta, retirar uma garota da boate antes das 2h30 da manhã custava R$ 150, além do valor do programa cobrado pela prostituta
No ano passado, segundo uma garota de programa, alguns taxistas e motoristas de aplicativos entregavam drogas a clientes no estabelecimento
Moradores do hotel viviam em guerra com a boate

 

O outro lado

Procurada pelo Metrópoles, a administração do Bonaparte afirmou que o preço muito abaixo das reservas ofertadas por proprietários na plataforma digital fez com que se tornasse comum a ocupação de apartamentos por hóspedes inconvenientes. “Nos preocupamos com as pessoas que passaram a se hospedar por meio do Airbnb devido a repetitivos eventos de desrespeito às normas internas. São hóspedes desconhecidos e de alta rotatividade que passaram a frequentar áreas comuns e provocando constrangimentos aos moradores”, diz a nota enviada pelo condomínio.

A reportagem também entrou em contato com a assessoria de comunicação da Airbnb. Em nota, a empresa afirmou “que não é possível confirmar se a plataforma foi utilizada para a locação de quartos no hotel mencionado na reportagem sem detalhes sobre as reservas”. Entretanto, destacou que “condena qualquer postura ou atitude que comprometam a dignidade humana ou que contrariem as leis vigentes, que possui Termos de Serviço e que infrações às regras de uso ou à lei estão sujeitas às penalidades cabíveis”.

Boate

No térreo do Bonaparte funcionava, até a pandemia do novo coronavírus, a boate Alfa Pub (foto em destaque), reduto de homens que buscam sexo rápido e discreto. A direção da casa de show trava uma longa disputa judicial com o Hotel Bonaparte.

Uma guerra alimentada pela cassação de licenças e liminares que garantem o funcionamento do estabelecimento acirra os ânimos entres moradores do local, administradores do condomínio e órgãos fiscalizadores do Governo do Distrito Federal.

A boate é famosa por receber políticos que desembarcam na capital da República. A Alfa Pub também virou notícia quando uma viatura da Polícia Militar foi usada para transportar uma das garotas de programa que trabalhava na casa.

Em fevereiro, câmeras de segurança flagraram o momento em que um homem armado executa o gerente da boate, Anderson Soares da Silva, 37 anos. O suspeito que matou a vítima disparou, ao menos, sete vezes. A maior parte dos tiros foi em direção à cabeça do gerente. O crime ainda permanece sem solução.