Preço nos restaurantes comunitários do DF será reduzido

Refeições passarão de R$ 3 para R$ 2 e R$ 1. Mudança foi anunciada por Rodrigo Rollemberg em visita ao Sol Nascente, na manhã deste sábado (21/5)

Após o polêmico aumento do preço da refeição nos restaurantes comunitários do Distrito Federal — que chegaram a motivar uma disputa política na Câmara Legislativa —, o valor cobrado ficará mais barato a partir de segunda (23/5). No dia, o governador Rodrigo Rollemberg assinará decreto para diminuir de R$ 3 para R$ 2 e R$ 1. O anúncio foi feito pelo chefe do Executivo em visita ao Sol Nascente, em Ceilândia, na manhã deste sábado (21).

Para ter direito à tarifa de R$ 1, é necessário apresentar, no guichê do restaurante, documento de identificação com foto e constar do Cadastro Único do governo de Brasília, por meio de sistema da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

O valor de R$ 2 será aplicado já na segunda-feira, mas o desconto para quem for do Cadastro Único será progressivo. Começa no Sol Nascente e, em 30 dias, será estendido às outras localidades.

Nova unidade
O Sol Nascente, aliás, será a sede do 14º restaurante comunitário do DF. Situada na QNR 1, a unidade será inaugurada na segunda-feira (23), com capacidade para servir 3 mil refeições por dia. O espaço tem 60 mesas, com oito cadeiras em cada.

Iniciada em 2014, a obra custou R$ 3.112.497,91, sendo R$ 1,4 milhão repassado pelo antigo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome — atual Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, com contrapartida do governo de Brasília. Vai operar o restaurante a empresa Cozisul, que será remunerada em R$ 5,40 por refeição.

Hoje o DF conta com 12 restaurantes comunitários em funcionamento. É servida uma média de 338 mil refeições por mês — e mais de 4 milhões por ano. A unidade do Itapoã ainda está em fase de licitação para reforma. (Com informações da Agência Brasília)