*
 

A ausência de um vice na chapa encabeçada por Jofran Frejat (PR) começou a preocupar os partidos que apoiam o ex-secretário de Saúde do Distrito Federal. Está marcada para a manhã desta segunda-feira (2/7) uma reunião para tentar definir quem será o número dois do grupo na corrida eleitoral.

O posto de vice-governador é pleiteado pelo MDB. A parceria com a sigla comandada pelo ex-vice-governador Tadeu Filippelli garante a Frejat mais tempo de televisão e maior participação no fundo partidário — duas importantes moedas eleitorais.

Mas nenhum dos nomes ventilados para o posto empolgaram. Entre eles, o da militante do MDB Rose Rainha, que foi chefe de gabinete de Filippelli na Vice-Governadoria do DF (gestão do petista Agnelo Queiroz) e foi casada com o ex-distrital e atual conselheiro do Tribunal de Contas local (TCDF) Renato Rainha. O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no DF (OAB-DF), Ibaneis Rocha, também é cotado para ser vice de Frejat: ele chegou a anunciar uma candidatura de governador pelo partido, mas recuou.

Após o anúncio da aliança de Eliana Pedrosa (Pros) e Alírio Neto (PTB), o grupo político de Frejat tem pressa para também definir seu futuro e vai pressionar o MDB. Alírio abriu mão da candidatura ao Buriti para ser vice na chapa da ex-distrital e colocar logo a pré-campanha na rua.

Cabeça de chapa não vai
Frejat disse que espera uma definição, mas que ela precisará do seu aval. “A reunião será apenas com os presidentes dos partidos, não vou participar. Mas, claro, a palavra final será minha”, afirmou, sem revelar preferências.

Para o ex-governador José Roberto Arruda (PR), o grupo não pode se precipitar na escolha, que pode ser feita até o dia 15 agosto, data limite para o registro das chapas. Após longo período distante de compromissos políticos, Arruda participou de um evento com apoiadores da campanha de Frejat, no Areal, nesse sábado (30/6).

O ex-governador discursou, elogiou Frejat e listou conquistas durante sua própria gestão à frente do Buriti, interrompida em 2010 por decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal. No entanto, de acordo com ele, foi algo pontual. “Posso até ir em um ou outro encontro, mas vou manter minha postura de recolhimento”, disse. Ele é representado nos compromissos pela companheira, Flávia Arruda, pré-candidata à deputada federal também pelo PR.