*

Mais lidas

Conheça os secretários VIPs de Rollemberg que escaparam da tesourada nos salários

Turma do primeiro escalão está entre os servidores requisitados de órgãos federais pelo Executivo local. Somente este ano, o GDF já gastou R$ 36,6 milhões com os salários de funcionários cedidos por ministérios, Câmara e Senado

Michael Melo/Metrópoles
Kelly Almeida
 

O discurso de que não há dinheiro para pagar o reajuste dos servidores e o anúncio de corte nos salários do primeiro escalão do Governo do Distrito Federal não alcançou um seleto grupo de funcionários cedidos de órgãos federais — como ministérios, Câmara dos Deputados e Senado — para a equipe do governador Rodrigo Rollemberg (PSB). De janeiro a 29 de outubro, o Distrito Federal desembolsou R$ 36.602.652,63 com a folha de pagamento dessas pessoas. Nessa turma, há ao menos sete secretários.

Dados do Sistema Integrado de Gestão Governamental (Siggo) mostram que a Secretaria de Planejamento é a responsável pelo maior empenho (valor reservado pelo Estado para pagar a despesa): R$ 9.292.533,48. Nessa cifra, entram os salários da secretária da pasta, Leany Lemos, e do secretário-adjunto, Renato Brown. Servidores do Senado, os dois recebiam pelo Legislativo federal até o mês passado, e o GDF fazia o ressarcimento. De acordo com a assessoria da pasta, o salário bruto de Leany é R$ 30.400 — R$ 71,10 a menos do que o teto máximo de remuneração ou subsídio estipulado no DF.

Reprodução

Autorização da cessão dos secretários Leany Lemos e Renato Brown para a Secretaria de Planejamento

 

Mas, com os encargos, o repasse do GDF ao Senado, para manter Leany nos quadros locais, chega a quase R$ 50 mil. Situação semelhante à de Brown, que custava pouco menos de R$ 36 mil com salários e encargos. Segundo a Secretaria de Planejamento, o GDF firmou convênio com o Legislativo federal e, desde o mês passado, não paga mais o reembolso, que inclui salário, encargos patronais e sociais e previdência.

Os salários são pagos diretamente pelo GDF — os valores, no entanto, não são com base na tabela de remuneração local, mas referente aos vencimentos recebidos por eles nos órgãos de origem. Ou seja, eles custam o mesmo aos cofres públicos, só que, agora, em vez de repassar o valor ao Senado, o GDF os paga diretamente.

Reprodução

Repasse do GDF ao Senado Federal referente aos pagamentos de salários e encargos dos secretários de Planejamento

Assim como Leany e Brown, outros secretários requisitados de órgãos federais não sofreram o corte salarial anunciado por Rollemberg. Enquanto os demais titulares de pastas tiveram contracheque reduzido de R$ 18.038 para R$ 14.430, o do governador caiu de R$ 23.449,55 para R$ 18.759,64.

Na lista dos que escaparam da tesourada estão Rômulo Neves, chefe de gabinete do governador; Sérgio Sampaio, chefe da Casa Civil; Alexandre Lopes, secretário da Gestão Administrativa e Desburocratização; José Guilherme Leal, da Agricultura; e, até a metade deste mês, Carlos Tomé, ex-secretário de Mobilidade, que não aceitou o convite para assumir a chefia de gabinete do governo e voltou para o Senado, onde é servidor.

Além dos secretários, há outros servidores que também foram requisitados em seus cargos de origem para trabalhar para o GDF. De acordo com a Secretaria de Planejamento, não há detalhamento sobre a distribuição deles dentro do governo do Distrito Federal.

Até outubro, o levantamento estava sendo feito por cada órgão. Dessa forma, não temos esses números consolidados até o momento. Diante das dúvidas a respeito do assunto, a área técnica da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão deu prazo até 3 de novembro para que todos os órgãos enviem essas informações, para que seja feito um levantamento quantitativo."
Nota enviada pela Secretaria de Planejamento

O GDF afirmou ainda que todos os ressarcimentos são feitos de forma correta. “O reembolso, pago até o mês passado, era devido e totalmente legal, uma vez que o Legislativo pagava por servidores que trabalham hoje em outra esfera de Poder — ainda que temporariamente. Por fim, reforça-se que o Governo de Brasília paga apenas o valor da remuneração, limitado pelo teto do DF, a saber, em valores brutos, R$ 30,4 mil”, resumiu.

Para ceder alguém, só se pagar…
Em 1º de outubro, Rollemberg assinou o Decreto nº 36.787 regulamentando a cessão de servidores do GDF para órgão ou entidades dos Poderes do DF, da União, dos estados ou dos municípios.

De acordo com o decreto, as cessões já efetivadas precisam ser revistas, de modo que o ônus passe a ser de quem receber o servidor. Se o órgão não quiser arcar com o salário do funcionário, o “empréstimo” será revogado. Além disso, os requisitados pelo DF que recebem mais do que o teto de R$ 30.471,00 serão devolvidos às respectivas entidades.

No entanto, não entram nessas determinações os servidores que exercem cargos de natureza política, cargos de natureza especial símbolos CNE 1 e 2 e cessões decorrentes de termos de cooperação. Atualmente, segundo a Secretaria de Gestão Administrativa e Desburocratização, 549 servidores do GDF estão cedidos para órgãos externos. Desse total, 455 com ônus para o DF.

Veja a lista dos secretários do GDF vinculados a órgãos federais


  • Leany Lemos, secretária de Planejamento, servidora do Senado Federal
  • Renato Brown, secretário-adjunto de Planejamento, servidor do Senado Federal
  • Carlos Tomé, ex-secretário de Mobilidade, servidor do Senado Federal
  • Rômulo Neves, chefe de gabinete do governador, servidor do Ministério de Relações Exteriores
  • Sérgio Sampaio, chefe da Casa Civil, servidor da Câmara dos Deputados
  • Alexandre Lopes, secretário da Gestão Administrativa e Desburocratização, servidor do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior
  • José Guilherme Leal, secretário de Agricultura, servidor do Ministério da Agricultura
 

 

COMENTE

Rodrigo RollembergCâmara dos DeputadosSenado Federal
comunicar erro à redação

Leia mais: Política