PCDF ouvirá quem estava em bar clandestino onde deputado atirou em advogado

A princípio, o caso é tratado como lesão corporal e disparo de arma de fogo, podendo evoluir para grave dependendo do resultado do laudo

atualizado 04/07/2020 12:50

Alexandre-KnoplochFoto: Octacílio Barbosa/ Alerj

A Polícia Civil do Distrito Federal abriu investigação para apurar as circunstâncias do disparo de arma fogo efetuado pelo deputado estadual Alexandre Knoploch (PSL-RJ) contra um advogado brasiliense. A princípio, o caso é tratado como lesão corporal e disparo de arma de fogo, podendo evoluir para grave, dependendo do resultado do laudo produzido pelo Instituto Médico Legal (IML).  O caso aconteceu na madrugada dessa quinta-feira (2/7), em frente a um bar que funcionava clandestinamente durante a pandemia, na quadra 408 Sul.

Na próxima semana, investigadores da 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul) irão intimar as pessoas que estavam no bar e presenciaram a confusão do lado de fora do estabelecimento. O advogado que levou o tiro no pé foi operado no Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF) na sexta feira (3/7). O quadro de saúde do defensor é estável. A apuração corre em sigilo em razão de Knoploch ter foro privilegiado.

O deputado alegou ter agido em legítima defesa e também diz ter sido dele a iniciativa de procurar as forças policiais para registrar o caso. Ao Metrópoles, a assessoria do parlamentar afirmou que ele teria sido vítima de uma “agressão covarde” quando deixava o local onde estava em Brasília e que atirou para “paralisar seu agressor”, que teria desferido socos contra ele e o derrubado no chão.

Ainda de acordo com Knoploch, o advogado o teria confundido com outra pessoa. “O deputado pediu, por conta própria, ainda, que além do exame de corpo delito, fossem feitos os exames toxicológico e de alcoolemia, comprovando que ele não havia ingerido bebida alcoólica. E esclareceu que possui porte de arma”, escreveu a assessoria.

Últimas notícias