Noiva exige que artista do DF “alise” o cabelo para cantar em casamento

Cantora percebeu ter sido vítima de racismo e resolveu expor o caso. Ela foi abordada por noiva em seu perfil do Instagram

atualizado 29/07/2020 10:59

Imagem cedida ao Metrópoles

A cantora e compositora Laís Raquel Teodora de Abreu, de 22 anos, diz ter sido vítima de racismo há cerca de duas semanas, durante uma conversa com uma possível cliente em seu perfil do Instagram.

A mulher a contatou para que a jovem cantasse em seu casamento. Na hora de apresentar o orçamento, Laís, então, encaminhou uma foto trabalhando em outro evento do gênero. Foi quando recebeu uma proposta atípica: a noiva perguntou se a cantora poderia alisar os cabelos cacheados no dia da festa, a ser celebrada em 2021, a fim de sair “melhor” nas fotos.

Apaixonada por música desde criança, Laís canta em casamentos, cafeterias e restaurantes do Distrito Federal. Ela afirma nunca ter recebido um pedido como esse, tampouco ter imaginado que seu cabelo pudesse ser um empecilho para a realização de um trabalho.

Ao receber a foto da cantora, a possível cliente teria perguntado se Laís “costumava cantar com o cabelo assim mesmo”. A jovem riu: “Uai, sim, é meu cabelo”.

Com a resposta, a noiva questionou se a cantora poderia usar o cabelo liso, que “fica melhor nas fotos.” Não houve acordo: Laís recusou o pedido.

Veja a conversa de Laís com a noiva, cujo nome não foi divulgado:

0

 

Amiga alertou

Apesar de não ter cedido, Laís disse que não pensou, na hora, ser um caso de racismo. Ela só se atentou para isso após ser alertada por uma amiga.

A cantora preferiu não registrar boletim de ocorrência, mas resolveu expor a situação nas redes sociais.

“Até então, não tinha reparado que era racismo, compartilhei com uma amiga e ela que me disse. Acabei compartilhando, riscando o nome da pessoa no Instagram. Logo depois, a bloqueei”, detalha a cantora.  “Não lembro o nome dela e não consegui achar o insta depois que tudo aconteceu”, desabafou a jovem.

Laís diz ter resolvido expor o caso para que outras pessoas possam enxergar o absurdo da situação e saibam se posicionar ao se depararem com atitudes como essa. “Meu nome é Laís, eu sou uma cacheada, cantora, e essa sou eu”, encerrou.

Veja o depoimento da jovem sobre o caso: 

 

Quem quiser conhecer mais sobre o trabalho de Laís pode acessar o canal dela no YouTube.

Últimas notícias