No feriado, pacientes ficam sem atendimento na UPA de Ceilândia. Veja vídeo

Nas imagens, profissional de saúde informa pacientes sobre a interrupção de consultas, inclusive para casos graves, devido a falta de médico

atualizado 28/12/2020 17:39

Pacientes em UPAReprodução/Vídeo

Um vídeo divulgado nas redes sociais nesse domingo (27/12) mostra um profissional de saúde informando pacientes sobre a falta de atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ceilândia. De acordo com ele, “todo atendimento, inclusive amarelo, laranja e vermelho” havia sido interrompido devido a falta de médicos no local.

A UPA deve prestar o primeiro atendimento aos casos emergenciais, realizando a investigação diagnóstica inicial, para definir a necessidade ou não de encaminhamento a serviços hospitalares. No local, porém, o profissional diz que consegue apenas realizar a triagem, mas que não tem previsão da retomada das consultas. Em seguida, ele orienta os pacientes a procurarem os hospitais de Samambaia ou Taguatinga.

Confira, a seguir, a publicação:

Após a divulgação do caso, o deputado distrital Leandro Grass (Rede) fez uma publicação no Twitter, nesta segunda-feira (28/12) comentando os problemas na área da Saúde do Distrito Federal. “Estamos terminando o ano e os problemas de saúde só se agravam”, criticou.

Veja:

O que diz o Iges-DF

Procurado pelo Metrópoles, o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF), que administra a UPA, confirmou a falta de atendimento nesse domingo na unidade. Em nota, a entidade informou que “ocorreu um desfalque de última hora na equipe médica”.

“Um dos profissionais escalados avisou sobre a necessidade de tirar licença médica poucas horas antes do plantão, inviabilizando a substituição. Essa situação, excepcional, já foi normalizada na manhã de hoje (28/12) e a unidade está com quatro médicos atendendo a população”, disse.

Ainda conforme o Iges-DF, a unidade está com 23 pacientes entre internados e em observação em suas dependências. Desses, quatro pacientes graves estão na sala vermelha, um está no isolamento, dez estão na sala amarela e oito na ala verde.

“O atendimento está sendo feito de acordo com a gravidade do paciente, sendo que a orientação para aqueles com classificação verde é procurar uma Unidade Básica de Saúde (UBS), que são os antigos centros e postos de saúde”, informou.

“Esclarecemos que o sistema de saúde do DF tem algumas características como, por exemplo, a de que o paciente com classificação verde deve ser atendido na UBS mais próxima de sua casa, justamente para não causar superlotação em unidades destinadas a pacientes com classificação de risco mais grave”, destacou o instituto.

Últimas notícias