Os bastidores da cobertura policial de um jeito que você nunca viu

Cirurgia de 02 do PCC em hospital mobiliza forte aparato policial

Cláudio Barbará da Silva, detento no Presídio Federal de Brasília, precisou operar os olhos no HUB, neste sábado (2/7)

atualizado 02/07/2022 15:41

agentes penitenciários federaisHugo Barreto/Metrópoles

Um aparato de guerra com homens fortemente armados, ruas fechadas e helicópteros integrou o planejamento operacional para garantir a segurança durante a realização de uma intervenção cirúrgica de um integrante da cúpula do Primeiro Comando da Capital (PCC), neste sábado (2/7). A operação foi organizada pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Cumprindo pena no Presídio Federal de Brasília, Cláudio Barbará da Silva, o Barbará, precisou passar por uma cirurgia nos olhos, no Hospital Universitário de Brasília (HUB), na Asa Norte. O criminoso já foi conhecido como “vice-chefe” da facção, e é considerado principal nome da “sintonia final dos estados e países”, como é chamada a cúpula do PCC.

Enquanto equipes formadas por agentes penitenciários federais integravam o comboio que conduzia Barbará ao hospital, equipes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar do DF davam apoio bloqueando algumas ruas. Durante todo o trajeto de São Sebastião, onde fica o presídio, até o HUB, um helicóptero da Divisão de Operações Aéreas (DOA) da Polícia Civil do DF foi usado para fazer o acompanhamento.

Veja imagens da operação que conduziu integrante da cúpula do PCC:

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
0

O criminoso

Em novembro de 2018, a Justiça de São Paulo determinou a transferência de seis integrantes do PCC para presídios federais. Entre eles, estavam dois do primeiro escalão da facção: Cláudio Barbará da Silva, o Barbará, e Célio Marcelo da Silva, o Bin Laden.

Todos eles são suspeitos de integrar a chamada “sintonia final dos estados e países” e comandarem crimes em 14 estados da Federação, incluindo ataques ocorridos em Minas Gerais e assassinato de agentes da lei.

Esse comando era exercido do interior da penitenciária 2 de Presidente Venceslau, onde estava presa a cúpula da facção.

A remoção dos detentos foi solicitada no dia 2 de dezembro de 2018, e seis dias depois foi apreendida uma carta na saída da penitenciária 2 de Presidente Venceslau encomendando a morte de do promotor de Justiça Lincoln Gakiya.

 

 

Mais lidas
Últimas notícias