Categorias: Distrito Federal

Mulher acusa Fadi Faraj de abuso sexual: “Pegou na minha vagina”

Uma das quatro mulheres que denunciaram o pastor Fadi Faraj por abuso sexual conversou com o Metrópoles nesta segunda-feira (21/10/2019). Por telefone, Isabela*, 27 anos, contou ter sido chamada por Fadi a uma salinha de oração da igreja Ministério da Fé, em Taguatinga, onde o pastor e líder do templo teria apalpado os seios dela sob o pretexto de “orar para livrá-la de um mioma”.

“Ele me chamou para fazer oração e eu fui na inocência. Chegando lá, ele orou, pegou nos meus seios e desceu para as genitais. Pegou na minha vagina. Saí correndo e nunca mais voltei àquela igreja”, disse.

A fiel diz ainda ter sentido muita vergonha. Segundo ela, o caso ocorreu em 2010, mas só agora, nove anos depois, ela teve coragem de denunciar Fadi. “Não quero que ninguém mais passe por isso. As pessoas têm medo de contar, mas precisam denunciar”, afirmou.

Isabela faz parte de um grupo de quatro mulheres que frequentavam o Ministério da Fé e acusam Fadi Faraj de assédio e abuso sexual. Além dela, existem casos que ocorreram entre 2005 e 2010, mas só vieram à tona recentemente.

Fadi, que é segundo suplente do senador José Antônio Machado Reguffe (Podemos-DF), é chamado de “apóstolo”, o cargo mais alto do templo religioso no qual a irmã dele – a ex-deputada distrital Sandra Faraj (PTB) – também prega.

“Ele pregava bem, pelo que me lembro. E tem uma questão de hierarquia. Tudo é muito estranho. Pastor nenhum deveria fazer isso. À época eu tinha entre 17 e 18 anos”, relatou Isabela, que hoje trabalha como manicure e não é mais praticante da religião evangélica. “Deixei de seguir por causa disso”, completou.

A coragem da manicure de ir à Promotoria de Justiça de Taguatinga, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), no dia 22 de agosto deste ano, para denunciar o pastor, surgiu quando ela conversava com outras duas amigas, e todas perceberam que tinham histórias parecidas. “Ele levava as meninas para essa ‘sala de oração’ e fazia essas coisas, além de propostas. A mim, ele perguntou: ‘Você gosta de sair?’. Eu disse que sim, e ele me ofereceu R$ 200 para sair com ele e ‘se divertir’”, contou.

Além dessas três, há outra denunciante: ela chegou a relatar os supostos abusos em vídeo gravado ao lado da mãe. Nas imagens, a moça narra ter passado por um ritual de “quebra de maldição”, no qual o tratamento era feito por meio de relações sexuais para “afastar os demônios que estavam no corpo dela”. A gravação foi feita em 2009, mas circulou na semana passada, quando o caso foi revelado pelo jornal O Livre, parceiro do Metrópoles em Mato Grosso. A reportagem também teve acesso ao material.

Veja o vídeo:

“Quebra de maldição”

No vídeo, a mulher conta que se batizou na igreja do DF em maio de 2005 e, cerca de dois meses depois, foi convidada pelo pastor a participar de uma conversa. Ela e a mãe foram ao primeiro encontro. “Ele pediu que eu preenchesse uma ficha de ‘quebra de maldição’. Primeiro, entrei com minha mãe. Depois, sozinha. Ele perguntou o que estava acontecendo. Eu disse que era mãe solteira, estava desempregada, morava com minha mãe e irmãos”, relata a mulher, na gravação.

A moça conta que os encontros ocorriam no “gabinete” de Fadi Faraj, o escritório dele na sede do Ministério da Fé, e que ela recebia livros e conselhos do pastor. Em uma das conversas, Fadi Faraj teria dito à mulher que ela estava “muito endemoniada” e precisaria de um tratamento “profundo”.

“Ele orou e começou a tocar meu corpo. Tocou meus seios. Depois, as partes mais íntimas. Disse que toda minha família ia ser libertada, que o problema estava em mim. Quando ocorreu a primeira relação dentro do gabinete, ele disse que o tratamento tinha que ser profundo, porque o demônio estava dentro de mim”, relata a moça.

De acordo com ela, os encontros duraram cerca de dois anos – de 2005 a 2007 –, inicialmente no escritório de Fadi Faraj. Depois, ocorreram em motéis. Os abusos, segundo a denúncia, aconteciam após o almoço, às terças e às quintas-feiras. De acordo com a fiel, Fadi a ajudava com o pagamento da escola para concluir os estudos e contribuía com quantias entre R$ 100 e R$ 200 quando eles se encontravam.

As investidas do apóstolo da igreja Ministério da Fé teriam cessado em 2007. Mas somente em 2009 – portanto, dois anos após o fim dos abusos –, quando a mulher ficou noiva e contou os possíveis abusos ao noivo, é que ela resolveu denunciar o caso. Segundo o vídeo, a situação teria sido levada a um Conselho de Pastores. “Eu achava que era para a quebra da maldição, que era pela minha família. Tinha pesadelos, era uma coisa diabólica”, disse.

Na sexta-feira (18/10/2019), Fadi Faraj afirmou ao Metrópoles que as acusações “são um absurdo, uma mentira”. “Meu Deus, não sabia dessas acusações. Só Deus vai saber por que estão fazendo isso contra mim”, disse.

Em 2018, Fadi Faraj concorreu ao Senado pelo Distrito Federal. Ele ficou em quarto lugar, com 268.078 votos, mas não se elegeu. Ficou atrás de Leila do Vôlei, Izalci Lucas e Cristovam Buarque.

Operação Heméra

Fadi Faraj e a irmã dele, a ex-deputada distrital Sandra Faraj, foram investigados no âmbito da Operação Heméra (deusa grega da mentira), que apurou, em 2017, um esquema de uso irregular de verba indenizatória, além da suposta cobrança de parte dos salários de servidores comissionados nomeados pela parlamentar – ou por indicação dela e do irmão – na estrutura do Governo do Distrito Federal (GDF) e da Câmara Legislativa. Porém, o caso foi arquivado pela Justiça.

*Nome fictício a pedido da vítima

Manoela Alcântara

Formada em jornalismo pelo Icesp. Trabalhou na Voz do Brasil, no Jornal de Brasília e no Correio Braziliense. Ganhadora de dois prêmios Sebrae de Jornalismo Econômico, uma das vencedoras do 1º Prêmio Polícia Federal de Jornalismo, jornalista destaque da Universidade de Brasília (UnB) por três vezes consecutivas. Repórter de Política local do Metrópoles desde 2015.

Últimas notícias

Nova versão do app BRB Mobilidade entra no ar

Usuários já podem verificar itinerários e horários das linhas de ônibus que circulam no DF. Aplicativo está disponível para iOS…

33 minutos passados

CCJ: relator quer ler novo parecer da PEC emergencial nesta terça

O texto faz parte do Plano Mais Brasil, um pacote de medidas do governo para cortar gastos e garantir equilíbrio…

3 minutos passados

Leo, ex-dupla com Victor, divide música com palestras e livros

O cantor conversou com o Metrópoles na última sexta (06/12/2019), durante lançamento de A Grande Arte de Se Reinventar, no…

3 minutos passados

Achadinhos: confira dez produtos eróticos de até R$100

Para quem é iniciante no mundo dos sex shops, a Pouca Vergonha indica itens que dão prazer por um valor…

3 minutos passados

TCU cobra esclarecimentos da Economia sobre Clube de Descontos

Atendendo a pedido de uma das empresas credenciadas, tribunal quer detalhes sobre proteção de dados de servidores e clareza sobre…

3 minutos passados