Fase de testes: Parque da Chapada dos Veadeiros começa cobrar ingresso

A taxação deveria ter iniciado no dia 1º de julho, mas foi protelada por conta dos testes na máquina que fará a cobrança

Setur-GO/DivulgaçãoSetur-GO/Divulgação

atualizado 08/07/2019 12:59

A partir desta segunda-feira (08/07/2019), o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (GO) já pode começar a cobrar pelo ingresso na reserva ecológica. Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o preço da entrada vai variar de R$ 3 a R$ 34. A taxação deveria ter começado no dia 1º de julho, mas os funcionários estão testando a máquina que vai fazer a cobrança.

Os novos valores foram regulamentados na Portaria n° 831/2018, do instituto, no Diário Oficial da União (DOU). A menor quantia será paga por moradores da região. Demais brasileiros terão de desembolsar R$ 17, enquanto os estrangeiros de países do Mercosul pagarão R$ 26. A tarifa para visitantes de outras nações será de R$ 34. Apesar da autorização, os responsáveis pela administração do parque ainda estão na fase de implementação do sistema de cobrança.

Visitantes com 60 anos ou mais; crianças com até 12 anos incompletos, acompanhadas de adultos; estudantes e acompanhantes de estabelecimentos de ensino com visitas pré-agendadas; populações extrativistas beneficiárias da unidade de conservação; colaboradores ou membros de instituições colaboradoras estão isentos da taxa.

Os pesquisadores autorizados pelo ICMBio; servidores de órgãos públicos em serviço; guias de turismo regularizados pelo Ministério do Turismo e condutores de visitantes cadastrados na unidade de conservação também não pagam.

Em novembro de 2018, após análise das propostas das três empresas interessadas na concessão dos serviços de apoio à visitação no local,  o Consórcio Sociparques, representado pela Socicam (empresa líder), saiu vencedor.

A concessionária informou que o valor arrecadado vai ser usado para reformas e compra de equipamentos, além da manutenção da unidade. A empresa pretende investir mais de R$ 14 milhões, ao longo de 20 anos da concessão.

Após uma ampliação de quase quatro vezes (em 2018, passou de 65 mil para 240 mil hectares de área protegida), o Patrimônio Mundial Natural pela Unesco deve receber melhorias, como deques de observação, transporte interno por vias exclusivas para ônibus, bilheteria, centro de visitantes, lanchonete e loja de suvenir.

Em 2019, 70 mil pessoas passaram pelo parque – dentro de quatro anos, a expectativa é de que o número salte para 120 mil visitantes por ano.

Investimentos

De acordo com o edital de concessão, além da melhoria na infraestrutura de apoio aos visitantes, a empresa terá de implementar e manter exposição permanente no Centro de Visitantes sobre as riquezas naturais do parque e garantir a adequação das vias de acesso internas, das trilhas e da sinalização.

Terá, ainda, que construir galpão rústico e banheiro seco na área de camping das Sete Quedas, uma sequência de pequenas cachoeiras no interior do parque; reformar o alojamento de pesquisadores, brigadistas e voluntários; montar banheiro no atrativo das Corredeiras; e implementar plano de gestão de segurança do parque. (Com informações do ICMBio)

Últimas notícias