Homem é condenado a 25 anos por atear fogo e matar menino de 13 anos

Klinger Chagas Mineiro Júnior, 20 anos, era traficante em Taguatinga e mandante da morte do adolescente

Luísa Guimarães/MetrópolesLuísa Guimarães/Metrópoles

atualizado 24/07/2019 23:52

O Tribunal do Júri e Taguatinga condenou, nessa terça-feira (23/07/2019), Klinger Chagas Mineiro Júnior a 25 anos e oito meses de prisão pelo homicídio triplamente qualificado de Charles de Souza Bezerra. Na pena, o juiz também incluiu a prática de corrupção de menores, pois Klinger, juntamente com outros nove adolescentes, esfaquearam e espancaram até à morte a vítima de 13 anos. Depois do espancamento, com o menino ainda vivo, o grupo ainda ateou fogo ao corpo.

A condenação levou em consideração o crime cometido no dia 23 de agosto de 2018, por volta das 13h, no Parque do Cortado, em Taguatinga. Os jurados acolheram integralmente a acusação do Ministério Público e reconheceram que o crime foi praticado por motivo torpe, pois o menor teria prometido roubar um celular dos pais e entregar aos agressores para poder recuperar o chinelo, que havia sido jogado no córrego.

Um dos menores, aproveitando-se do fato de que a vítima não sabia nadar, lançou o chinelo dela na cachoeira e exigiu, para que buscasse o seu chinelo na água, que a vítima roubasse um aparelho celular. Diante da promessa feita pela vítima, o menor passou a cobrá-la durante o tempo em que o grupo ficou no parque, até que a vítima disse que roubaria os próprios pais para conseguir o aparelho. Diante disso, a vítima começou a ser agredida.

A sentença também considera que o crime também foi praticado com emprego de fogo e ainda de forma a dificultar a defesa da vítima, tendo em vista que ele não poderia imaginar tal ataque, já que foi convidada para consumir drogas e tomar banho de cachoeira, munido de espírito de se divertir com colegas.

O juiz João Marcos Guimarães Silva considerou que Klinger tinha plena consciência da ilicitude. “O réu, juntamente com os outros nove menores, mesmo diante da promessa da vítima em fazer o que eles queriam, praticaram reiteradas agressões a ela e, ainda, atearam fogo contra o corpo dela com a vítima ainda viva. A culpabilidade foi intensa e muito alto grau de censura aqui observado, se contrapondo aos princípios ditos civilizados da atualidade, de respeito à vida e aos direitos individuais do ser humano”, ressaltou o magistrado.

Charles foi esfaqueado, espancado e queimado vivo
Relembre o caso

O crime que matou o adolescente Charles de Souza Bezerra, de apenas 13 anos, no último dia 23 de agosto, é um dos mais cruéis já vistos no Distrito Federal, de acordo com o delegado Joás de Souza Rosa, da 17ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Norte), que investigou o caso com a Delegacia da Criança e do Adolescente II. Segundo a perícia, o garoto tinha uma dívida de drogas de R$ 200.

Klinger Chagas Mineiro Júnior, 20 anos, conhecido como “China”, foi o mandante do crime e é suspeito de praticar tráfico de drogas na região. Os nove adolescentes que participaram do crime eram usuários de droga e tinham dívidas com o mandante, de acordo com as investigações. Mas a quantia maior era de Charles, que “estaria enrolando para pagar”. Klinger ofereceu perdão da dívida caso os adolescentes concordassem em participar do homicídio. A vítima foi, então, atraída para uma emboscada.

Com informações do TJDFT

Últimas notícias