O Tribunal do Júri de Ceilândia condenou José Antônio da Silva Júnior a 21 anos e 4 meses de prisão por ter matado um homem que defendia a amiga de uma “cantada”. O réu e um comparsa, ainda foragido, assediaram a namorada do amigo de Luan Cleiton de Carvalho Matias, o que teria provocado uma briga. Momentos depois, os assassinos voltaram em uma moto e deram seis tiros contra a vítima.

Na sentença, o juiz considerou que o homicídio foi duplamente qualificado – por motivo fútil e sem dar chances de defesa à vítima. Segundo a denúncia, após a confusão, o réu e o amigo saíram do local dizendo que buscariam uma arma de fogo.

De acordo com o magistrado, a alta quantidade de disparos efetuados mostra a necessidade de uma pena maior. O juiz ainda ressaltou que José Antônio possui várias condenações criminais transitadas em julgado.

“O acusado, cuja periculosidade específica revelou-se grave, responde ao presente processo preso preventivamente, e não encontro razões para sua soltura, sobretudo agora que lhe pesa decreto condenatório”, assinalou o magistrado no despacho.

Ainda na sentença, o magistrado ressaltou que “algumas testemunhas demonstraram bastante temor ao longo da instrução processual, e a folha de antecedentes do réu, é importante dizer, qualifica-se como bastante extensa, sendo necessária a custódia, também, para evitar a reiteração delitiva”. (Com informações do TJDFT)