*
 

O julgamento do HC de Lula no STF reeditou o polêmico debate sobre uma possível intervenção militar do Brasil. Principalmente entre aqueles que querem ver o petista a atrás das grades, a maioria se mostrava favorável à volta das Forças Armadas ao comando do país.

O sargento Jorge Luis Damasceno Vidal, da PMDF, mostrou-se disposto a pegar em armas e devolver o governo aos militares. “Senhor general Villas Boas, estamos à sua disposição para ir para cima dos comunistas. Estamos prontos para varrer a  impunidade”, disse o PM, em referência ao posicionamento do comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, que, nessa terça-feira (3/4), disse “assegurar à nação que o Exército julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à democracia, bem como se mantém atento as suas missões institucionais”.

Já a cuidadora de idosos Jaciara Amorim, 49 anos, apesar de entender que Lula deve ir para a cadeia, é radicalmente contra ao retorno de uma administração dirigida por oficiais das Forças Armadas. “Sou contra a intervenção militar, tenho medo que os militares não saiam mais do poder”.

“Repeteco de 1964”
Luiz Carlos Gonçalves da Cunha, 56 anos, acredita que a intervenção no Rio de Janeiro é um ‘repeteco’ de 1964 e considera que o governo federal deveria ajudar o Rio a melhorar as estruturas das polícias e combater a corrupção policial ao invés de mandar o exército ir bater em’ pretos e pobres’. “A última vez que algo parecido aconteceu deu no que deu, a ponto de pedirem garantia para não ter uma nova comissão da verdade”, opinou.

 

 

COMENTE

intervenção militarHC de Lulajulgamento de hc de lula
comunicar erro à redação

Leia mais: Distrito