Ibaneis pede ajuda ao TCDF: “Não dá para ficar com o autódromo parado”

Governador, que participou de cerimônia em homenagem a JK, diz que há fila de eventos esperando a liberação da pista

André Borges/Esp. MetrópolesAndré Borges/Esp. Metrópoles

atualizado 12/09/2019 13:07

O governador Ibaneis Rocha (MDB) apelou para o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) com o objetivo de liberar a licitação para a conclusão das obras do Autódromo Nelson Piquet. “Fica, nessa minha fala, um pedido de urgência: o Tribunal de Contas do DF tem sido um grande parceiro do DF, mas está na hora de liberar a licitação do autódromo. Não dá para ficar com o autódromo parado. Nós temos que concluir as obras e devolver esse espaço que já foi um dos grandes lugares de eventos de Brasília”, pontuou.

O discurso foi feito no lançamento oficial do Grand Slam de Judô, no Palácio do Buriti, na manhã desta quinta-feira (12/09/2019). Falando diretamente para a presidente do TCDF, a conselheira Anilceia Machado, Ibaneis destacou que a reabertura do espaço poderia trazer pelo menos 10 eventos esportivos para a capital do país. Segundo o emedebista, competições de kart, Stock Car e motovelocidade estão na fila para acontecer em Brasília. O governador apelou para a ajuda dos deputados distritais e do secretariado para a solução do impasse.

TCU

O TCDF não foi o único tribunal citado pelo governador na manhã desta quinta. Ibaneis assegurou que o Governo do Distrito Federal (GDF) continuará recorrendo da decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que impede o pagamento de aposentadorias da Saúde e da Educação com recursos do Fundo Constitucional do DF (FCDF). A garantia veio durante a cerimônia do aniversário de 117 anos do ex-presidente Juscelino Kubitschek e dos 38 anos do Memorial erguido em homenagem ao fundador de Brasília.

As palavras foram bem mais amenas em comparação à última manifestação do emedebista após decisão desfavorável do TCU. O governador afirmou estar empenhado em estabelecer uma relação de respeito entre as instituições. Além de recorrer no próprio TCU, Ibaneis diz buscar outros caminhos jurídicos e políticos, negociando inclusive com o Palácio do Planalto. “O presidente (Jair) Bolsonaro criou uma comissão para tratar do Fundo Constitucional”, afirmou.

Outro caminho, segundo o governador, é o recurso no Supremo Tribunal Federal (STF). “Vou tratar disso juridicamente. O Tribunal de Contas está agindo com a mentalidade dele. Que é, infelizmente, uma mentalidade que não agrada a nossa cidade”, argumentou. “Decisão judicial é para ser cumprida. Quem não está satisfeito deve recorrer. Eu não estou. E vou recorrer para defender Brasília”.

Bolsonaro

Ibaneis falou sobre Bolsonaro mais de uma vez no evento. Ao homenagear Juscelino Kubitschek, o governador afirmou que, no Brasil, a democracia é plena. “Nós temos um presidente da República que fala o que gosta, o que quer e o que pensa”, ressaltou.

Apesar disso, criticou a divisão ideológica e política que toma conta do país. E citou JK como exemplo a ser seguido. “Ninguém sabia se Juscelino era de esquerda ou de direita. Ele era um homem que estava a frente do seu tempo, pensando exatamente no desenvolvimento”.

 

Últimas notícias