metropoles.com

GDF quer vencer invasores do Torre Palace pelo cansaço

Secretaria de Segurança disse que, em função de os manifestantes manterem crianças nas ruínas do edifício, forças de segurança vão manter a estrutura isolada até que os ocupantes desçam. Ao menos seis deles respondem a processos judiciais. Negociações serão retomadas às 8h de sexta (3)

atualizado

Compartilhar notícia

Daniel Ferreira/Metrópoles
torre palace
1 de 1 torre palace - Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

Cerca de 32 horas após o bloqueio na via N1 iniciado na manhã de quarta-feira (1°/6), a Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social definiu nova estratégia para retirar os manifestantes que ocupam o Torre Palace Hotel, no Setor Hoteleiro Norte: vencer pelo cansaço. As negociações foram encerradas às 20h e serão retomadas às 8h desta sexta (3). A previsão era de que PMs mantivessem o isolamento do edifício durante a madrugada.

Por meio de nota publicada às 16h45 desta quinta (2), a pasta informou que, “considerando que há no local crianças em situação de risco iminente, todos os órgãos de segurança envolvidos estão redobrando os cuidados durante as negociações. A intenção é que o processo de negociação seja esgotado, até que os invasores deixem espontaneamente o prédio. Para isso estão sendo adotados todos os procedimentos previstos no protocolo de gerenciamento de crises, como corte de suprimentos de água, luz e demais provimentos aos invasores”.

Ainda segundo o GDF, a Via N1, no trecho em frente ao hotel, continuará interditada, pois os invasores estão arremessando objetos na pista, o que coloca em risco a segurança da população.

O documento destaca ainda que o líder dos invasores, Edson Francisco da Silva, do Movimento de  Resistência Popular (MRP), responde a inquérito na Delegacia de Repressão ao Crime Organizado e está em liberdade provisória. Além disso, entre os cerca de 15 invasores, outros cinco também respondem a processos na Justiça.

Desde o início da ação de desocupação do hotel, o total de agentes de segurança empregados diariamente na operação é de aproximadamente 300 servidores, entre policiais militares, bombeiros, agentes do Departamento de Trânsito (Detran), da Agência de Fiscalização do DF (Agefis), da Defesa Civil e da Secretaria de Segurança, além de órgãos de apoio, como Caesb e CEB. Um helicóptero dos bombeiros e um médico de plantão também integram a ação.

A Secretaria de Segurança destaca que “todo o trabalho de negociação está sendo acompanhado pela Vara da Infância e da Juventude, tendo em vista a presença de crianças no local” e que a iniciativa de tirar os invasores “tem como base a decisão judicial que autoriza o GDF a desocupar o prédio. A pasta cita um relatório emitido pela Defesa Civil condenando a estrutura do hotel e a interdição da Agefis feita em 19 de abril.

Retomada da ação
Após ser interrompida na noite de quarta (1°), a Polícia Militar retomou, na manhã desta quinta (2), as negociações para a desocupação do Torre Palace Hotel. O chefe da Comunicação Social da PM, coronel Antônio Carlos, contou que as negociações não avançaram pois ainda há duas crianças no prédio que, segundo ele, estão sendo submetidas a “tratamento cruel” por parte dos pais, que não atendem à solicitação para descer. “Pelo contrário, ameaçam as crianças se a PM invadir o prédio. Por isso, não tomamos uma medida mais enérgica”, disse.

Disputa judicial
Abandonado desde 2013, o edifício foi ocupado em outubro de 2015 por cerca de 150 pessoas do Movimento de Resistência Popular, que reivindica políticas de moradias no Distrito Federal. Segundo o coronel Antônio Carlos, o prédio já vinha sendo invadido por usuários de drogas e era local recorrente de crimes e de tráfico de drogas. “É um local muito insalubre”, disse ele.

A reintegração de posse foi autorizada pela Justiça em decisão de 2ª instância, no dia 24 de maio, e mobiliza as forças de segurança e servidores do governo do Distrito Federal, entre representantes da Defesa Civil, Secretaria de Habitação (Sedhab), Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedest) e Secretaria de Estado de Ordem Pública e Social (Seops).

De acordo com o coronel Antônio Carlos, o prédio foi condenado pela Defesa Civil e será isolado após a desocupação. Antes, as famílias do Movimento de Resistência Popular ocuparam o Clube Primavera, em Taguatinga, e o Hotel Saint Peter, também na área central da capital.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações