Garrafas de vinho de R$ 56 mil roubadas do Itamaraty são recuperadas pela PF

A operação foi batizada de Borgonha, que faz menção à região da França de onde provêm os vinhos mais caros do mundo

atualizado 24/09/2021 21:28

A Polícia Federal deflagrou, nesta sexta-feira (24/9), a Operação Borgonha, com o objetivo de recuperar, em São Paulo, duas garrafas de vinho de alto valor que haviam sido doadas ao Ministério das Relações Exteriores (MRE).

A investigação teve início em 16 de agosto de 2021, quando o MRE, após realizar a conferência dos vinhos guardados no cofre tipo adega do cerimonial, constatou a ausência de duas garrafas de vinho tinto de elevado valor, um Petrus Pomerol Grand Cru da safra 1980, avaliado em R$ 25.750, e o vinho Domaine de la Romanee-Conti La Tache Grand Cru Monopole da safra de 1995, avaliado em R$ 31.868.

Após realizar algumas diligências iniciais, a Polícia Federal (PF) chegou ao autor do crime. O homem foi identificado, confessou o delito e indicou o comprador para quem repassou os dois vinhos.

Após expedição de mandado de busca e apreensão pela Justiça Federal, a PF cumpriu a ordem judicial no endereço do receptador, encontrando os vinhos furtados.

Borgonha

O nome da operação faz menção à região da França de onde provêm os vinhos mais caros do mundo.

Últimas notícias