Fotos e vídeos revelam falta de medicamentos e insumos no Base

Segundo diligência, desabastecimento compromete tratamento de pacientes em UTIs e também levou a suspensão de cirurgias eletivas

atualizado 22/10/2021 19:54

PrateleiraMaterial cedido ao Metrópoles

Vídeos e fotos mostram a falta de medicamentos e insumos no Hospital de Base nesta sexta-feira (22/10). Imagens registradas durante diligência formada por diversas instituições vinculadas à Saúde Pública revelam a falta de insulina, esparadrapos, macacões, curativos e agulhas.

Medicamentos para quimioterapia, sedar pacientes, tratamento de hipertensão, intubação e antibióticos também estão em falta.

O foco inicial da diligência ocorreu na área oncológica do hospital. O setor apresenta sinais de problemas e longas filas para cirurgias e consultas de pacientes com câncer. Mas outros setores também foram fiscalizados.

Veja o vídeo:

A diligência teve participação dos sindicatos dos Médicos, dos Enfermeiros, dos Técnicos de Enfermagem e as comissão de Direitos Humanos e da Saúde da Câmara Legislativa (CLDF).

A falta de insumos estaria comprometendo a qualidade das internações na unidade de terapia intensiva (UTI). Também faltam instrumentos para fracionar e rastrear os fármacos. Sem os aparelhos, por exemplo, os profissionais de saúde colocam etiquetas à mão e 5 mil comprimidos são fracionados, também à mão, por dia.

Nessa semana, segundo os membros da diligência, a unidade teria suspendido cirurgias eletivas por falta de materiais básicos. Haveria déficit de farmacêuticos e técnicos de farmácia.
Os membros da diligência também observaram 11 camas quebradas no Base.
“É estarrecedor que o maior e principal hospital público do DF tenha sequer seringa e curativo para acompanhamento básico dos pacientes. A força-tarefa vai elaborar um relatório detalhado de toda a precariedade que encontramos aqui e vamos acionar a Secretaria de Saúde para providências imediatas”, comentou o presidente da Comissão de Direitos Humanos da CLDF, o deputado distrital Fábio Felix (PSol).

Veja lista de medicamentos em falta:

  • Vincristina
  • Abiraterona
  • Meropenem
  • Midazolan
Outro lado
O Metrópoles entrou em contato com o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF), responsável pela gestão do Base. Às 19h39, o instituto enviou nota sobre a situação, informando que adotou medidas para resolver o problema do desabastecimento.
O Iges-DF confirmou a ocorrência de suspensões de cirurgias na quinta-feira (21/10). Mas alegou que o problema foi sanado e os procedimentos foram retomados na sexta-feira (22/10).
Leia a nota completa do Iges-DF:

O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (IGESDF) informa que a atual diretoria vem fazendo um amplo levantamento sobre a situação financeira, administrativa, patrimonial e de recursos humanos da instituição. A situação do RH está sendo normatizada dentro das condições financeiras e orçamentárias do Instituto, a fim de evitar o não cumprimento de obrigações correntes e a sobrecarga orçamentária.  Uma análise de dimensionamento dos setores está em andamento. Essa informação irá auxiliar os gestores nas tomadas de decisão referente a quadro de pessoal. 

A questão de abastecimento tem sido fruto de regularização da atual gestão. Uma força tarefa foi montada para dar continuidade aos processos de compras e abastecimento de insumos, buscando evitar desabastecimentos pontuais. Durante esta semana, diversos medicamentos foram disponibilizados ao Hospital de Base garantindo, assim, a continuidade do atendimento. O IGESDF aguarda para a próxima semana a chegada de mais insumos.    

A atual gestão do IGESDF detectou diversos fatores que contribuem para prejudicar o abastecimento. Esses problemas estão sendo devidamente enfrentados, especialmente os casos mais críticos e sensíveis. Para enfrentá-los, mdiversas medidas estão sendo tomadas, entre elas  a contratação de colaboradores para incorporar a força tarefa; a renovação de contratos de prestação de serviços e fornecimento de insumos (já negociando os eventuais passivos com algumas dessas organizações) e implementação de controle sistêmico para verificação dos estoques e consumos médios mensais. Ressalte-se que a força tarefa tem concentrado sua ação no abastecimento de insumos críticos e urgentes, sem deixar de atender a outras demandas.  

O IGESDF informa ainda que na manhã de quinta-feira (21) algumas cirurgias eletivas foram interrompidas parcialmente, mas nove outros tipos de cirurgias eletivas continuaram sendo feitas normalmente. À tarde, porém, o Centro Cirúrgico Central voltou a operar normalmente. O IGESDF ressalta que não houve, em momento algum, falta de insumos farmacológicos que pudesse comprometer a realização de cirurgias. O que ocorreu foi uma diminuição no processo de esterilização das caixas de materiais destinadas aos procedimentos cirúrgicos. O problema, porém, foi corrigido no mesmo dia, não prejudicando o atendimento. O IGESDF esclarece ainda que na manhã de quinta-feira (21) foram realizadas 18 cirurgias eletivas, conforme relação abaixo: 

NEURO 3  

ONCOLOGIA 2 

OUTUBRO ROSA (GINECO) 1  

VASCULAR 1 

TORACICA 3 

UROLOGIA 1 

CARDÍACA 1 

OFTALM.  4 

OTORRINO 2 

Mais lidas
Últimas notícias