Deputado sugere plano de gratificação por metas para servidores do DF

Eduardo Pedrosa participou do Metrópoles Entrevista nesta sexta-feira (4/11) e revelou que enviou proposta ao GDF

O deputado distrital reeleito pelo Distrito Federal, Eduardo Pedrosa (União Brasil) participou, nesta sexta-feira (4/11), do Metrópoles Entrevista. Durante cerca de 20 minutos, o parlamentar revelou que sugeriu ao governo do DF a criação de um plano de gratificação por meio de metas para os servidores públicos.

Segundo Pedrosa, o aumento de salários e benefícios seria concedido aos funcionários que alcançassem as metas previamente estabelecidas. “Por exemplo, ganha gratificação o servidor que alcançar a meta”, disse.

“Tem que ser iniciativa do governo”, completou. O parlamentar garantiu que já conversou com o governador Ibaneis Rocha (MDB) sobre o assunto.

Veja a entrevista completa:

Criação de novas RAs

Em relação ao plano do GDF de criar novas regiões administrativas, Pedrosa afirmou que concorda com o projeto, mas defendeu maior participação da população e autonomia para os administradores de cada local.

“Aprovo a criação de novas regiões. Mas, uma coisa que me incomoda muito é que, muitas das vezes a gente quer fazer uma obra na cidade, mas o administrador, por ter sido indicado por outro deputado, acaba nos barrando. Por isso, sou contra o governador querer escutar deputados para ouvir sugestões [de indicações de nomes para administradores]. Acho que tem que ter autonomia dos administradores.”

Pedrosa também defendeu maior participação popular no processo do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCUB). “A CLDF tem que fazer valer a voz das pessoas, a comunidade tem que fazer parte do processo de votação disso. Até porque influencia na vida de muitas pessoas.”

Iges-DF e Saúde

O deputado reeleito também comentou, durante a entrevista, que o modelo do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF) não foi aplicado corretamente na capital federal.

“Poderia haver um modelo como esse. Porém, o Iges-DF não tem conseguido atingir essa finalidade, visto que trocou de presidente diversas vezes, as pessoas têm dificuldade de acessar os serviços. Sou um crítico da aplicação do modelo no DF”.