*
 

Ainda surpresos e comovidos com a partida precoce de André Duda, 56 anos, amigos e familiares lotaram, nesta quarta-feira (4/7), o Cemitério e Crematório Jardim Metropolitano, em Valparaíso (GO), Entorno do Distrito Federal, para a despedida do jornalista e ex-secretário de Comunicação do GDF.

A mulher Terezinha, os filhos Pablo e Priscila e a mãe de Duda ficaram lado a lado durante a cerimônia. A filha de 28 anos destacou o quão amoroso era o pai: “Ele sempre foi uma pessoa que colocava todo mundo na frente dele. Ele poderia estar mal, mas nunca negou ajuda a quem precisava”.

Dezenas de políticos brasilienses estiveram na solenidade. Entre eles, o ex-governador Agnelo Queiroz (PT) e o presidente do MDB-DF, Tadeu Filippelli. Duda foi secretário durante parte da gestão do petista à frente do Palácio do Buriti. Ocupou o mesmo cargo nos governos de Joaquim Roriz e José Roberto Arruda (PR). Também foi coordenador de Comunicação da Câmara Legislativa (CLDF) e, por mais de 30 anos, trabalhou na Rede Globo.

“Além de ser um profissional competente, era um grande amigo. Tínhamos papos diários. Fui surpreendido [com a notícia da morte]. Uma coisa abrupta e dolorosa”, lamentou Agnelo.

 

O deputado federal Laerte Bessa (PR) contou que Duda era um conselheiro. “A nossa amizade era antiga. Nas horas vagas, ia para o meu gabinete. Não fazia nada na mídia sem falar com ele”, revelou o parlamentar.

O jornalista morreu no início da tarde dessa terça (3). Ele começou a passar mal por volta das 12h, quando almoçava com um amigo. Chegou a procurar socorro, mas não resistiu ao ataque cardíaco.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, Carlos André Duda recebeu atendimento no pátio do quartel do Núcleo Bandeirante. Chegou dirigindo sozinho, queixando-se de dores no peito. No momento do atendimento, ainda de acordo com a corporação, ficou consciente e orientado. Porém, quando estava sendo transportado, teve uma parada cardiorrespiratória.

Atualmente, era assessor do deputado distrital Rodrigo Delmasso (PRB). O parlamentar menciona que recorria ao amigo quando passava por momentos difíceis. “Como pessoa, era um cara fantástico, sincero e extremamente honesto”, enaltece.