*
 

Para que os estudantes que farão as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) neste domingo (12/11) não sejam prejudicados pela greve dos empregados da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) — iniciada na quinta (9) —, o governo de Brasília manterá os 67 veículos adicionais do plano emergencial.

São 9 em Águas Claras, 29 em Ceilândia, dois no Guará, quatro em Taguatinga e 23 em Samambaia. Do total, 51 são articulados e 16, básicos, de acordo com a Secretaria de Mobilidade.

Apesar de o Tribunal Regional do Trabalho ter acatado, na quarta (8), o pedido do Metrô-DF e determinado que, durante a paralisação, o serviço opere com 90% da capacidade nos horários de pico — das 6 às 10 horas e das 16h30 às 20h30, os empregados em greve não têm cumprido à risca a decisão.

No domingo (12), devido às provas do Enem, a Corte ordenou que o metrô funcione com 100% de sua frota e dos trabalhadores, das 8h30 às 19 horas.

Além dos ônibus adicionais, o Bilhete Único estudantil será liberado no dia do exame. Normalmente, o cartão é bloqueado fora dos dias letivos.

Linhas de ônibus serão reforçadas
O Transporte Urbano do Distrito (DFTrans) também reforçará algumas linhas de ligação entre as regiões administrativas para quem for à prova fora do local onde mora. A mesma medida foi tomada no primeiro dia de Enem, em 5 de novembro.

Os ônibus circularão em maior número, das 9 às 18 horas, quando se encerram as provas.

No Distrito Federal, haverá 167 pontos cedidos para aplicação do exame, entre eles, 120 escolas públicas e as quatro unidades do Instituto Federal de Brasília (IFB). A estimativa é que 125 mil estudantes façam o Enem na capital federal.

 

 

COMENTE

metrôGreveDFenem
comunicar erro à redação

Leia mais: Educação