*
 

O pai de uma aluna, de 6 anos, que teve um recado anotado na mão pela professora, reuniu-se com a escola na última sexta-feira (2/3) e não aceitou o pedido de desculpas. O caso, ocorrido na Escola Classe 415 de Samambaia, teve grande repercussão e revoltou a família, que pretende acionar a Justiça.

Indignado com o que aconteceu com a filha, Gilluan Carvalho Silva, de 27 anos, não se deu por satisfeito. “Vou processar tanto a Secretaria de Educação quanto a professora.  Fiquei revoltado”, afirma Gilluan, que trabalha como auxiliar de eletricista.

O pai diz, no entanto, não desejar que a educadora receba uma grande punição da secretaria, mas espera que ela ao menos seja advertida para que a situação não se repita com outras crianças. “Todo mundo falha, mas ela precisa aprender com esse caso”, destaca.

O Conselho Tutelar da Samambaia antecipou-se à ideia dos pais de procurá-los. Na sexta (2), ligou para a escola e tentou falar com a docente, mas ela estava em sala de aula. “Tivemos a iniciativa após tomarmos conhecimento do caso. A professora foi notificada a comparecer no Conselho Tutelar na segunda (5)”, afirma Cláudia Carvalho, conselheira da unidade de Samambaia II.

O caso
Na quarta (28), Gilluan publicou no Facebook a imagem da mão de sua filha com os dizeres grafados à caneta: “caderno de meia pauta”. O recado, escrito pela professora da aluna, era um lembrete para a família providenciar a compra do material.

Gilluan diz não ter visto a solicitação na lista entregue pela escola anteriormente. Acredita, porém, que o recado poderia ter sido colocado em um papel ou dito diretamente à mãe da aluna, que a busca diariamente no colégio.

No encontro entre o pai, a diretora da escola e a professora, Gilluan ouviu que a educadora era inexperiente na rede pública de ensino, sendo este o seu primeiro ano em sala de aula. A diretora teria dito ainda que a menina não foi a única criança a ter o recado anotado na mão, e que os pais dos outros alunos levaram o material pedido sem problemas.

Para Gilluan, essa declaração da responsável pela escola só reforça que o pedido de desculpas se deu unicamente devido à grande repercussão do caso, após ele ter registrado indignação nas redes sociais. “Vou processar”, reforçou.

A Secretaria de Estado de Educação respondeu que a Coordenação Regional de Ensino irá se reunir com a direção da escola nesta segunda-feira (5) para adotar as devidas providências com relação ao caso. A pasta reitera que não aprova o comportamento da professora, mas qualquer medida punitiva ao docente somente pode ser adotada após devida apuração dos fatos.