Criança de 8 anos passa mal de fome em escola no Cruzeiro

Morador do Paranoá, aluno sai de casa às 11h e tem acesso ao lanche da escola somente às 15h30. GDF diz que ele recebeu alimento no colégio

Uma criança de 8 anos passou mal de fome na Escola Classe 8 do Cruzeiro. Morador do Paranoá, o menino estava há dois dias sem comer direito e precisou ser atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). O episódio foi registrado na segunda-feira (13/11).

O estudante chegou à escola apático e a professora teve que interromper a aula para que ele recebesse os devidos cuidados. O menino faz parte de um grupo de 250 crianças que precisa se deslocar do Paranoá, Paranoá Parque e Itapoã para estudar no Cruzeiro. A distância, de 30km, os obriga a sair de casa às 11h, todos os dias. O lanche do colégio só é servido por volta das 15h30.

Para o diretor do Sindicato dos Professores (Sinpro), Samuel Fernandes, a construção de escolas na região é uma medida necessária, uma vez que os alunos precisam percorrer grandes distâncias para estudar. “Se não possível fazer isso em curto prazo, pelo menos a alimentação dessas crianças deve ser reforçada. Muitos desses alunos estão em condições de vulnerabilidade e dependem do lanche do colégio”, ressaltou.

Outro lado
A subchefia de relações com a imprensa do Palácio do Buriti informou que o estudante não desmaiou. “Segundo relato do técnico em enfermagem, a criança estava ‘molinha’ quando a equipe chegou. Ao examiná-la, o profissional não verificou nenhum problema. No entanto, o menino relatou, durante o atendimento, que não vinha comendo bem desde domingo. A escola ofertou, então, um alimento e, após comer, ele sentiu-se melhor”.

Ainda de acordo com o Governo de Brasília, o aluno saiu de casa depois das 12h e a família está incluída em dois programas sociais: o Bolsa Família e o DF Sem Miséria, que totalizam R$ 920 mensais, conforme a apuração do Conselho Tutelar.