*
 

A poucas semanas da Copa do Mundo na Rússia, o otimismo do brasileiro não está depositado apenas na seleção, mas também nas vendas que começam a crescer com a aproximação do início dos jogos. A expectativa de vendas aumenta nos pequenos negócios, principalmente, do comércio de vestuário e enfeites, além de serviços. Apesar de ser uma competição sazonal, a Copa do Mundo é ainda um dos momentos em que os pequenos negócios do varejo costumam aumentar suas vendas, reforçar o estoque ou até contratar funcionários temporários, como acontece com bares e restaurantes.

Thailini Paloschi, moradora de Águas Claras, no Distrito Federal, aproveitou a licença maternidade para unir o útil ao agradável. Sem ficar distante da filha de três meses, a administradora passou a vender uniformes da Seleção Brasileira pela internet. O negócio superou suas expectativas. “Deu mais do que certo e já na primeira demanda não consegui atender todo mundo”, diz ela.

Mas para Thailini, trabalhar com vendas de produtos relacionados à Copa do Mundo não é novidade. “Desde criança eu vendia camisas junto com meu pai que as estendia em um varal pelas ruas de Brasília”, conta a administradora. Quando se trata de souveniers, buzinas, bonés e a camisa do jogador Neymar Jr, as crianças são os principais clientes de Daniel Moura dos Santos, em sua banca na Feira dos Importados, em Brasília. “É inevitável que o os meninos levem uma camisa da Seleção Brasileira”, conta Moura.

“São as micro e pequenas empresas que levam o País nas costas, pois geram empregos e renda, além de serem os que estão mais perto da sociedade, com quem mantém um maior contato pessoal e humano. Sem dúvida, que grandes eventos, como a Copa, representam excelentes oportunidades para eles”, afirma o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.

Dias antes
Daniel afirma que as vendas estavam aceleradas, mas em decorrência da manifestação dos caminhoneiros, o movimento caiu. Porém, ele ressalta que poucos dias antes da competição as vendas aceleram. “Se o Brasil passar para as outras fases da Copa, com certeza vamos vender muito bem”, observa o vendedor, avaliando que muitas pessoas ainda não estão comprando produtos ligados à competição por causa da derrota do Brasil em 2014. “Mas isso passa”, brinca Daniel.

Os pequenos negócios devem lucrar nas áreas do Comércio e Serviços, setores que também abriram maior número de vagas de trabalho. No 1º quadrimestre de 2018, o saldo acumulado foi de 293 mil novos empregos, quase 10 vezes maior que os postos gerados pelas médias e grandes empresas neste mesmo período e 88,4% acima do saldo registrado por eles no mesmo período do ano passado.