*
 

O botijão de gás residencial ficará mais caro a partir da 0h desta terça-feira (6/11). O reajuste para as embalagens de até 13kg será entre 8,2% e 9%. O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) afirmou, nesta segunda (5), que as distribuidoras já foram comunicadas pela Petrobrás sobre o aumento.

Desde janeiro deste ano, os reajustes passaram a ser trimestrais. De acordo com a estatal, a média do preço de venda nas refinarias, sem tributos, será equivalente a R$ 25,07. Nos outros meses, a Petrobrás aplicou duas reduções (janeiro e abril) e um aumento (julho). Com isso, o botijão teve uma alta final de 2,5%. Segundo a Petrobrás, a desvalorização do real frente ao dólar e as elevações nas cotações internacionais do GLP foram os principais fatores para a alta.

Em 24 de setembro, o botijão ficou, em média, 3,9% mais caro. Segundo o presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras e Revendedoras de GLP do Distrito Federal (Sindvargas), Sérgio Costa, as revendedoras do DF passaram a receber o produto com aumento das engarrafadoras. “Está sendo repassado e não temos como segurar os preços”, lamentou Costa.

Depois do último aumento, o Metrópoles foi às ruas e encontrou botijões valendo entre R$ 73 e R$ 90 no Distrito Federal. De acordo com levantamento realizado pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis (ANP), o preço médio em 42 distribuidoras pesquisas era de R$ 73,24, até 27 de outubro.