DF: réu é condenado a 21 anos de prisão por matar e esquartejar homem

Crime ocorreu em junho de 2020. A vítima foi assassinada por traficantes após usar notas falsas para pagar dívida de drogas

O Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), por meio da Promotoria de Justiça do Tribunal do Júri do Guará, obteve, na última quinta-feira (30/6), a condenação de Diego Queiroz Soares (foto em destaque), conhecido como Gordinho, pelo assassinato de Anderson Rocha Alves. Ele acabou sentenciado por três crimes: homicídio qualificado, destruição de cadáver e tortura contra um amigo de Anderson.

A pena foi fixada em 21 anos e 3 meses de reclusão em regime inicialmente fechado. Ele não poderá recorrer em liberdade.

Os jurados aceitaram as qualificadoras apresentadas pela Promotoria de Justiça: motivo torpe (vingança contra Anderson, que pagou dívida de drogas com notas falsas) e emprego de tortura (a vítima foi agredida física e psicologicamente antes de morrer).

Relembre o caso

O crime ocorreu em junho de 2020 na região do Guará conhecida como Biqueira, situada em uma área verde perto da linha do trem que passa entre o Guará e o ParkShopping. Diego integrava uma organização criminosa especializada em tráfico de drogas naquela área.

Anderson e o amigo foram até o local para pagar uma dívida feita com o grupo, mas, quando o líder da organização percebeu que havia recebido notas falsas, determinou que Anderson fosse morto, e o conhecido, torturado.

Diego, Luiz Eduardo Guarino Couto (conhecido como Soneca e já falecido) e outro comparsa executaram as ordens. Anderson foi assassinado com um tiro no rosto, e o corpo, esquartejado, queimado e jogado na tubulação de esgoto. Os restos mortais foram encontrados por funcionários da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), enquanto o amigo dele foi amarrado a uma árvore e torturado psicologicamente.

Motivação do crime

De acordo com o laudo da perícia realizada no computador da vítima, a motivação do crime foi confirmada como falsificação de dinheiro. Anderson também estava envolvido com compra e venda de informações pessoais de terceiros.

“Para a nossa surpresa, além de ter informações referentes à compra e venda de dinheiro falso, ele tinha CPF, nome, endereço e coisas referentes à clonagem de cartão no computador”, explicou o delegado-chefe Ataliba Neto, à época da 4ª DP (Guará).

1/3
Anderson vendia o dinheiro, conforme tabela encontrada
A razão da execução dele foi ter usado dinheiro falso para pagar traficantes
Perícia no computador de Anderson verificou arquivos com notas falsas

Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Faça uma denúncia ou sugira uma reportagem sobre o Distrito Federal por meio do WhatsApp do Metrópoles-DF: (61) 9119-8884.