Covid: 97% das UTIs adulto públicas estão ocupadas; há 4 leitos vagos

Taxa de ocupação total de leitos para Covid-19 no DF é de 94,59%. Além disso, 23 pacientes aguardam na lista de espera para tratamento

atualizado 28/01/2022 8:17

Chegada de pacientes no Hospital Regional da Asa Norte, q registra alta de internações covid. Local: Hospital Regional da Asa Norte FotoHugo Barreto/Metrópoles

A taxa de ocupação de unidades de terapia intensiva (UTIs) adulto para Covid-19 está em 97,14% nas primeiras horas desta sexta-feira (28/1). Dos 99 leitos abertos na rede pública, 84 estão ativos, sendo que 70 registram ocupação e 10 aguardam liberação. Ou seja, só há quatro leitos disponíveis para casos graves de pacientes infectados pelo novo coronavírus no Distrito Federal.

No total, considerando leitos adultos, pediátricos e neonatais, as UTIs registram taxa de ocupação de 94,59%. Já o percentual referente às unidades destinadas a crianças, chamadas neonatais, é de 50%.

Como a Covid age em nosso organismo:

0

Os números constam no InfoSaúde, portal alimentado frequentemente com dados da pandemia pela Secretaria de Saúde do DF. A última atualização ocorreu às 6h25.

Quinze leitos estão bloqueados, enquanto há apenas duas unidades para adulto e duas neonatais vagas. Há 23 pacientes aguardando na lista de espera para tratamento da doença.

Na rede privada, a taxa de ocupação de leitos está próximo de atingir 70%. São 77 ocupados e 46 vagos, o que resulta num índice de 62,81%.

Vacine-se

Crianças, adolescentes e adultos do Distrito Federal têm diversos pontos de vacinação contra Covid-19 nesta sexta-feira (28/1) para tomarem a D1, D2 ou a dose de reforço. A aplicação de cada uma delas acontece em locais específicos, que podem ser conferidos aqui.

Por baixa procura, GDF encerra vacinação no Aeroporto de Brasília

Covid: DF deve receber 23 mil doses de Pfizer pediátrica na próxima 2ª

Vale lembrar que crianças com 5 anos podem somente ser vacinados com a vacina Pfizer, em dose pediátrica. A partir dos 6 até os 11 anos, há também a possibilidade de se aplicar a Coronavac.

Exceção é feita para crianças entre 5 e 11 anos com imunossupressão. Nestes casos, somente a Pfizer pode ser aplicada.

Adolescentes entre 12 e 17 anos poderem ser imunizados com a Pfizer ou Coronavac. Qualquer pessoa acima de 18 anos que ainda não tenha iniciado a vacinação pode tomar também a AstraZeneca. A Secretaria de Saúde permite escolher a marca da vacina.

Para a segunda dose da AstraZeneca ou Pfizer, é necessário contar 56 dias da D1. Caso esteja na hora de tomar a D2, basta conferir em qual posto está disponível cada uma das marcas. Quem tomou Coronavac precisa aguardar 28 dias.

A Saúde ainda oferece a dose de reforço. Neste caso, pessoas a partir de 18 anos, profissionais de saúde e imunossuprimidos graves podem procurar os pontos de vacinação caso cumpram as regras. Para os dois primeiros públicos, a exigência é de que se tenha tomado a D2 há pelo menos quatro meses. No último grupo, a necessidade é de 28 dias de espera.

O reforço da Janssen também tem regra a ser seguida. Apenas quem tomou a dose única há pelo menos dois meses pode procurar um dos postos disponíveis.

Mais lidas
Últimas notícias